Perigo ronda estradas de Minas

Postado dia 3/1/2002 | | 0 comentário

Todo cuidado é pouco ao sair de viagem durante este mês de janeiro. É que com o início da temporada das chuvas, as estradas mineiras, que já apresentavam problemas de conservação, estão cada dia piores. Um exemplo disto está bem próximo de Belo Horizonte, na BR-040, em Contagem, na Região Metropolitana, saída para Brasília (DF) e para o Noroeste e Norte de Minas.
No Km 530 da BR-040, próximo ao Ceasa, uma cratera toma conta da pista no sentido Belo Horizonte/Sete Lagoas desde o último domingo, dia 30. Ontem, a obra de abertura de um desvio provisório na rodovia contribuiu para aumentar ainda mais a confusão dos motoristas na região. A obra pode ser concluída na manhã de hoje caso não chova forte, segundo previsão da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Os motoristas vão então trafegar, na contramão, pelo canteiro central por cerca de 150 metros.
Mas se a obra não for concluída, são três as opções de desvio para quem sai de BH: seguir pela Via Expressa até Contagem e tomar a saída para o Ceasa; seguir pela MG-424, antiga ligação entre BH e Sete Lagoas, passando por Pedro Leopoldo, Matosinhos e Capim Branco; e, finalmente, seguir pela região da Pampulha, passando pelo bairro Santa Terezinha até atingir a região do Ceasa e voltar à rodovia.
E como se isso não bastasse, uma nova cratera pode surgir na BR-040, mas no sentido Sete Lagoas/BH com o afundamento de duas pistas no Km 482. Motoristas devem ficar atentos no local, que já foi sinalizado, e reduzir a velocidade. De acordo com o diretor do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER) em Minas Gerais, José Élcio Monteze, a depressão foi causada por um bueiro subterrâneo.
“Já estamos providenciando massa asfáltica para restabelecer o local”, disse. Sobre a cratera do Km 530, não há previsão para a liberação de R$ 1,5 milhões – verba que teria sido solicitada pelo DNER há alguns meses -pelo Governo federal para recuperação do trecho.
O presidente do Sindicato da União dos Caminhoneiros do Brasil, José Natan Emídio Neto, disse ontem que espera uma resposta do Governo Federal ao manifesto enviado pela instituição, no final do ano passado, denunciando as péssimas condições das estradas no País. Natal alerta que quando esteve em Brasília (DF), no final da semana passada, reuniu-se com representantes do DNER e alertou para a destruição iminente de parte da pista da BR-040, com a ameaça de interrupção de tráfego, o que se confirmou.
Para alívio das autoridades, de acordo com o assessor de comunicação da PRF, Aristides Júnior, o movimento nas estradas, ontem, foi tranqüilo. Pela manhã, chegaram no Terminal Rodoviária de BH cerca de 300 ônibus. O Terminal ficou lotado, mas não foi registrado tumulto.
Com a possibilidade de maior fluxo de veículos pelas rodovias mineiras em janeiro, e as estradas cada vez mais esburacadas, as perspectivas são para o aumento no número de acidentes. Uma amostra disso foi os dois feriadões das festas de fim de ano. Sessenta e sete pessoas morreram e 776 ficaram feridas em 1.138 acidentes ocorridos do dia 22 de dezembro até a madrugada de ontem. Os números constam dos balanços das operações especiais realizadas pelas polícias rodoviárias Federal e Estadual.
Ontem, foram divulgados os balanços referentes ao feriadão do Réveillon. A PRF informou o registro de 339 acidentes com 223 feridos e 15 mortos, computados entre o dia 28 de dezembro e o início da madrugada de ontem. Já o boletim divulgado pela Polícia Rodoviária Estadual (PRE) aponta um total de 155 acidentes que deixaram 142 pessoas feridas e 11 mortos. Somados os dois balanços, são 449 acidentes, 365 feridos e 26 mortes nas estradas mineiras durante o Réveillon.
Os números divulgados pela PRF para o último Réveillon são inferiores aos registrados no mesmo período do ano passado, quando foram atendidos 382 acidentes, com 302 feridos e 15 mortes.


Trechos críticos ameaçam turistas



Passada a euforia das festas de final de ano, a atenção nas estradas se volta para o período de férias, quando muitos mineiros voltam a pegar a estrada rumo ao litoral – sobretudo do Espírito Santo, Sul da Bahia e Rio de Janeiro – e ao interior do Estado. Por causa das chuvas, muitos trechos nas estradas federais e estaduais continuam com problemas e alguns até mesmo com o trânsito interrompido.
No entanto, a PRF não espera um grande movimento de veículos na primeira quinzena de janeiro. Segundo o inspetor Aristides Júnior, nos últimos anos o perfil do mês de janeiro mudou. Ele alega que os calendários diferenciados das escolas devem fazer o movimento de veículos diminuir. “Nem todas as escolas entram de férias no mesmo período, pois há as greves, principalmente nas escolas públicas”, observa.
Para quem vai viajar, o policial pede atenção especial às curvas da BR-381 e ao trecho onde essa rodovia encontra a BR-262, no município de João Monlevade, no Vale do Aço, onde o trânsito fica mais intenso. Quem vai viajar nas férias deve ter atenção redobrada com as chuvas, evitar dirigir por mais de quatro horas seguidas e fazer refeições leves. O veículo deve estar com os equipamentos revisados. O uso do cinto de segurança é obrigatório para todos os ocupantes do veículo.
De acordo com informações do DER-MG, as estradas gerenciadas pelo órgão se encontram em condições “aceitáveis”. Ontem havia trechos interditados total ou parcialmente em seis rodovias sob sua jurisdição.



Notícias Relacionadas


No tags for this post.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *