Roubo de cargas rende milhões

Postado dia 13/12/2001 | | 0 comentário

Somente este ano, a Polícia registrou 138 roubos ou desvios de cargas e desarticulou 11 quadrilhas envolvidas neste tipo de crime
O roubo de cargas transformou-se na mais lucrativa fonte de recursos do crime organizado no Brasil, ultrapassando outras ‘tradicionais’ modalidades delituosas como assaltos a bancos, seqüestros e até o tráfico de drogas pesadas como cocaína e crack. No Ceará, somente nos últimos sete meses, 11 quadrilhas envolvidas diretamente neste tipo de infração penal foram desarticuladas pela Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos e Cargas (DRFVC). Os números impressionam: de janeiro até ontem nada menos que 138 cargas das mais variadas espécies haviam sido roubadas ou ‘desviadas’ pelos bandos nas rodovias que cortam o Estado. Entretanto os valores obtidos pelas quadrilhas este ano não foram ainda, oficialmente, divulgados. Mas, segundo estimativas da própria Polícia, certamente ultrapassam a casa de R$ 5 milhões. Somente de janeiro a setembro, foram roubadas 109 cargas e destas, 27 não tiveram seus valores revelados. Ainda assim, os outroas 82 carregamentos restantes somavam exatos R$ 2.744.349,00. RECUPERA – Em contrapartida aos constantes ataques das quadrilhas, as autoridades policiais têm conseguido obter cerca de 65 por cento de êxito na recuperação das cargas. Quem afirma isto é o titular da DRFVC, delegado Francisco Jairo Façanha Pequeno. Segundo ele, o desmantelamento das 11 quadrilhas propiciou o indiciamento ou prisão de 41 pessoas. Muitas delas ‘aparecem’ em mais de uma quadrilha. A Polícia chegou aos nomes dos ‘homens fortes’ dos bandos após a prisão de indivíduos que se passavam por ‘chapas’, isto é, trabalhadores braçais responsáveis pela operação de carregar e descarregar os caminhões. Muitos deles ludibriavam caminhoneiros que chegavam a Fortaleza e necessitavam de um ‘guia’ para chegar ao destinatário das mercadorias. Era exatamente esta pessoa que ludibriavam os motoristas, fazendo a carga ir parar em depósitos ou armazéns dos grandes receptadores, isto é, aqueles que comandavam os ‘desvios’ antecipadamente. A outra face do roubo de cargas é mais violenta. São os assaltos praticados nas estradas por bandos fortemente armados. Muitos caminhoneiros foram literalmente seqüestrados, levados para locais ermos e ali mantidos em cativeiro até que os ladrões fizesse a carga roubada ‘desaparecer’. Em outros casos, a Polícia constatou que os próprios caminhoneiros tiveram cumplicidade com as quadrilhas. Chegavam ao ponto de procurar a Polícia para registrar Boletins de Ocorrência (BOs), comunicando terem sido assaltados. Porém, na verdade, estavam apenas simulando uma situação para se livrarem da acusação de envolvimento no roubo das cargas que eles próprios haviam negociado com as quadrilhas seus e receptadores DELEGACIA – Diante do avanço do crime, a Polícia Civil já tem pronto um projeto de criação de uma delegacia para tratar especificamente do roubo de cargas. Atualmente cabe à DRFVC acumular as função de combater o roubo e furto de cargas e também de veículos. O superintendente da Polícia Civil, César Wagner Maia Martins, tomou uma atitude, recentemente, para evitar que falsas comunicações de roubo de cargas acabem sendo registradas nas unidades policiais. Uma portaria foi baixada, determinando que tais BOs só poderão agora ser registrados nas delegacias regionais do Interior ou diretamente na ‘Furtos de Veículos’, localizada em Fortaleza. A Polícia tem ainda reforçado a ação preventiva nos locais onde os roubos têm tido uma maior incidência: as BRs 222, 116 e 020 e as CEs 160, 140 e 165, nos Municípios de Caucaia, Maracanaú, Icó, Russas e Aracati.


Notícias Relacionadas


No tags for this post.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *