As mortes das quatro pessoas que foram esmagadas por uma retroescavadeira na Avenida Giovani Gronchi, na zona oeste da capital paulista, na quarta-feira, revelam a falta de fiscalização para o tráfego de caminhões em São Paulo. O alerta foi feito pela organização não-governamental Riscos Urbanos, que pede que esses veículos pesados tenham suas rotas aprovadas antes de circular por bairros residenciais da cidade.

A retroescavadeira, que era transportada por uma carreta, caiu sobre um táxi, depois que o caminhão fez uma curva. Quatro pessoas que ocupavam o carro morreram na hora.

A Ong pede que a sociedade exija do pode público mais fiscalização dos caminhões que circulam pela capital paulista. Todos os dias, cerca de 160 mil carretas trafegam pelas ruas e avenidas da capital. Boa parte desses veículos circula por vias onde o tráfego de cargas pesadas é proibido.

O desrespeito às leis de trânsito por motoristas de caminhões causa acidentes freqüentemente, que por não resultarem em mortes acabam passando despercebidos da sociedade, alerta a Ong.

– O veículos com cargas pesadas, carretas, teriam de ter um acompanhamento e a pré-aprovação de suas rotas – afirmou o presidente da Ong Riscos Urbanos, João Carlos Martins.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que fiscaliza o tráfego de caminhões na cidade. Tanto que no ano passado 27 mil motoristas de caminhões foram multados. A CET informou ainda que há duas mil placas de trânsito alertando os motoristas sobre os locais em que o tráfego de caminhões é proibido.

CET: multas não evitam abusos por parte dos caminhões

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) emitiu no ano passado 27 mil multas para caminhões que trafegaram em local proibido ou com carga perigosa irregularmente na cidade de São Paulo. No total, 2 mil pontos têm restrição para o tráfego de caminhões. Diariamente, 160 mil caminhões circulam pela cidade. Nesta quarta-feira, uma carreta que tentou irregularmente passar por uma rua íngreme, cuja circulação é proibida para caminhões, perdeu o controle e derrubou uma retroescacadeira sobre um táxi, matando quatro pessoas. A CET tem apenas 2 mil fiscais, os marronzinhos (por causa da cor do uniforme) para fiscalizar 16 mil quilômetros de vias.

Na manhã de ontem, a capital teve trânsito complicado. Às 9h o índice de congestionamento foi de 94 quilômetros, o segundo maior do ano. Segundo a CET, o excesso de veículos foi o grande causador do congestionamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui