A Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos (Agepan) começou hoje uma grande pesquisa de mapeamento do sistema de transporte intermunicipal de passageiros em Mato Grosso do Sul. Nos três primeiro dias serão coletadas informações na estação rodoviária de Campo Grande e em dois postos da Polícia Rodoviária Federal na BR-163 – no km 21, saída para São Paulo e no município de Jaraguari.

Nas rodovias os pesquisadores fazem a contagem de todos os veículos que passam, nos dois sentidos. Todo o fluxo de carros de passeio, utilitários, vans, ônibus e caminhões estão sendo identificados separadamente, por categoria. As vans e ônibus são abordados para a contagem de passageiros e identificação de origem e destino. Nas vans, os passageiros ainda são entrevistados quanto ao motivo da viagem. O objetivo é conhecer o perfil do usuário que opta por este serviço.

Ainda esta semana os pesquisadores começam a atuar em outras rodovias de acesso à Capital e em pólos regionais do Interior. Até o dia 6 de outubro todas as regiões serão cobertas pela pesquisa: Dourados, Corumbá, Três Lagoas, Aquidauana/Anastácio, Paranaíba, Nova Andradina, Jardim/Guia Lopes, Coxim e Maracaju.

A pesquisa também vai levantar a demanda de infra-estrutura nos terminais rodoviários e pontos de parada ao longo das linhas em todo o Estado. As condições desses pontos estão sendo mapeadas detalhadamente.

A pesquisa é parte do projeto de reestruturação do Sistema de Transporte Intermunicipal de Passageiros, visando, principalmente, dois objetivos: primeiro, a universalização do serviço, ou seja, ampliar o atendimento e chegar até usuários das localidades que hoje não são servidas ou que dispõe de transporte precário. Segundo, dar suporte ao desenvolvimento econômico em Mato Grosso do Sul, por meio da melhoria da estrutura de toda a cadeia que compõe o transporte de passageiros por rodovia.

Acompanhando hoje de manhã o início da pesquisa na BR-163, o diretor-presidente da Agepan, Anízio Tiago, afirmou que de modo geral a reestruturação não deverá significar aumento de tarifa. Ao contrário, em alguns casos, as linhas intermunicipais poderão ser forçadas a adotar preços mais competitivos para combater a concorrência irregular das linhas interestaduais que passam pelo mesmo caminho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui