A duplicação da BR-392 – investimento previsto no orçamento deste ano e que deverá ser encampado pelo PAC – é sempre um dos assuntos mais questionados à ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Em Pelotas, a história não foi diferente. Desta vez, no entanto, a mãe do PAC disse ter novidades e mostrou orgulho ao anunciar que o estudo sobre a receita e a despesa da praça de pedágio foram concluídos pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Lembrou que o empreendimento foi dividido em quatro lotes e que, destes, apenas dois possuem projeto concluído. No entanto, fala que estes projetos – para o entorno de Pelotas e junto ao porto – serão entregues até o final de novembro, para que os trechos sejam licitados antes de 2009, garantindo assim os recursos previstos pelo orçamento. Quanto à licitação dos lotes, a ministra acredita que os trechos serão divididos para que o processo seja acelerado. Ela garantiu que nenhuma obra do PAC será suspensa por causa da crise mundial, pois o Brasil dispõe de recursos suficientes. “Se temos dinheiro não há motivo para cancelarmos investimentos que trazem desenvolvimento ao País”.

Na ocasião, o diretor superintendente da Ecosul, concessionária responsável pela rodovia que liga Rio Grande a Pelotas, Roberto Paulo Hanke, solicitou uma audiência com a ministra justamente para tratar da concessão. Durante a reunião-almoço, Dilma Rousseff disse que a injeção de recursos públicos em uma estrada pedagiada não será realizada sem que mudanças sejam feitas na praça de pedágio.