Diante do aumento do número de assaltos e assassinatos cometidos por homens em motocicletas, a Secretaria de Segurança fez ontem uma grande operação com o apoio de 65 delegacias da Região Metropolitana. Foram apreendidas 546 motocicletas —155 delas na capital. A maioria dos veículos (298) estava com documentação em situação irregular e 24 eram roubadas ou estavam com a documentação adulterada.

Na Baixada Fluminense, foram apreendidas 322 motos e 69 em Niterói e São Gonçalo. Funcionários do Detran também participaram da operação. Além da consulta ao banco de dados, o Detran forneceu dez caminhões para transportar as motos apreendidas.

O objetivo da operação é reduzir o número de ações criminosas praticadas por motoqueiros. As motos apreendidas foram levadas para as delegacias e, à tarde, para os depósitos do Detran.

No início da manhã, um congestionamento chegou a se formar no Viaduto São Sebastião, na saída do Túnel Santa Bárbara, na Cidade Nova, onde uma equipe da 6 DP (Cidade Nova ) parava todos os motoqueiros. A maioria das motos vistoriada estava com a licença atrasada.

Um dos motoqueiros parados na blitz da Avenida Lobo Júnior, na Penha, em frente à 22 DP (Penha), quase foi preso por causa de uma letra trocada. Identificado apenas como Marcos, ele trabalha como motoboy e pilota uma Honda 1997. Na hora de trocar a placa, em fevereiro deste ano, uma letra ficou no lugar errado. No lugar de LCJ, colocaram LJC.

A violência sobre duas rodas

O vereador Carlos Lopes da Silva, de São Gonçalo, foi baleado a 30 de julho do ano passado, quando saía de uma sessão na Câmara. O criminoso, que estava numa motocicleta prata, disparou 16 tiros contra o carro do vereador, que morreu uma semana depois. Seis dias antes, um dos homens que estavam numa moto matara o coordenador de segurança do complexo penitenciário de Bangu, Paulo Roberto Rocha, na Avenida Brasil, em frente ao conjunto Parque Nova Irajá. Os criminosos fugiram e até hoje não foram identificados.

Em junho de 2003, a analista de sistemas da Dataprev Sandra Ramos Decorte, de 48 anos, foi assassinada com um tiro, em Botafogo. O assassino fugiu na garupa de uma moto. A modelo e empresária Luíza Brunet foi vítima, em janeiro de 2003, de uma quadrilha de motoqueiros. Dois bandidos, numa CB-400, emparelharam com seu carro, em Ipanema. O bandido na garupa usou o capacete para quebrar o vidro do carona do carro de Luíza e roubou a bolsa.

Em 30 de agosto de 2002, um cinegrafista da TV Globo registrou as imagens de um assalto num sinal da Praça Sibelius, na Gávea. Com uma pistola, um bandido, na garupa de uma moto, atacou um motorista que acabara de sair do banco, com R$ 4 mil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui