BELO HORIZONTE/MG – O novo prefeito de Belo Horizonte terá muito trabalho na área do transporte, assim como em outras áreas na capital mineira. Com preço bem mais baixo, o transporte irregular em BH cria ‘ rodoviárias’ clandestinas em várias regiões da cidade.

Um exemplo grande isso é o Terminal Turístico JK, no barro Preto, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, que hoje é utilizado para embarque e desembarque de passageiros em ônibus de turismo ou fretados para a região, agora vem funcionando também como um “rodoviária clandestina”, como afirma o jornal O Tempo.

De acordo com a publicação, da região, partem muitas das chamadas linhas “genéricas”, que fazem o transporte irregular de passageiros entre a capital e cidades principalmente no Vale do Jequitinhonha e Norte de Minas, e outras capitais, como Brasília. Mas com o reforço da fiscalização do Departamento Estadual de Trânsito (DER) no JK, motoristas passaram a usar outros pontos de embarque.

Segundo o assessor da subsecretaria de Transportes, Lindberg Garcia, um deles fica no bairro São Francisco, próximo ao Anel Rodoviário. O horário preferido é à noite, quando a fiscalização é menor. Algumas empresas preferem adotar áreas próximas ao terminal JK, como a avenida Barbacena, no bairro Santo Agostinho.

Os ônibus são de empresas totalmente clandestinas ou de turismo que têm a permissão de fazer o transporte fretado, mas que não podem fazer viagens periódicas. Esses ônibus fazem uma concorrência desleal com as linhas regulares. A passagem é até 50% menor. Para Almenara, enquanto a tarifa do ônibus rodoviário é de R$ 128,50, no “genérico” custa R$ 65. Para Brasília, o convencional custa R$ 105 e o irregular é R$ 80. Atualmente, o DER possui 80 processos administrativos contra empresas de turismo do Estado que estariam fazendo transporte clandestino. A empresa Gontijo, que tem a concessão para fazer o transporte rodoviário para cidades do Vale do Jequitinhonha, já suspendeu, por tempo indeterminado, a linha Belo Horizonte/Joaíma por falta de passageiros, devido aos prejuízos causados pela clandestinidade.