Os problemas mais comuns nas rodovias federais goianas são os buracos. Nessa época do ano, as operações tapa-buraco são neutralizadas pelas chuvas constantes.

O grande fluxo de caminhões e carretas, que escoam a safra, é um complicador. São caóticas as condições de BRs como a 452, no trecho entre Rio Verde e Castelândia, e a 158, próxima à divisa com o Mato Grosso, ambas no Sudoeste goiano.

Como se não bastassem quilômetros de rodovias intransitáveis, que mais parecem estradas sem pavimentação, as BRs sofreram este ano com os desgastes provenientes de outro fator: as enchentes. Até agora, trechos de três rodovias federais foram interditadas em Goiás, dois deles por tempo indeterminado, por causa de inundações.

A chuva da madrugada de sexta-feira, na região de Jaraguá, fez com que uma represa transbordasse e a água invadisse a BR-153 na altura do quilômetro 330, entre Rianápolis e Jaraguá. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) interrompeu totalmente o tráfego às 10 horas. A fila de veículos estendeu-se por vários quilômetros. Quem não quis ou não podia esperar teve de pegar desvio por outras estradas da região.

O trânsito foi parcialmente liberado às 15 horas, quando as águas baixaram. Segundo cálculo da PRF, o tráfego poderia ser liberado totalmente no início da noite de ontem. “No entanto, precisamos ficar em alerta constante com esse trecho. Caso chova novamente e a água volte a subir, o local deve ser interditado”, afirma o inspetor Newton Morais, da seção de Comunicação Social da PRF.

Atoleiro – Desde o início dessa semana, o trânsito de automóveis está impedido em outros dois pontos de rodovias federais. Um deles está situado na BR-080, entre Padre Bernardo e Dois Irmãos, no Entorno do Distrito Federal. O trecho não é pavimentado e no local formou-se um atoleiro por causa de uma nascente d’água reforçada pela chuva. O clima ontem continuava chuvoso na região e a pista permanecia interditada.

Aragarças também enfrenta uma situação dramática com o caos nas rodovias federais. Choveu durante todo o final de semana no município e, com isso, os córregos e rios da região encheram. O Córrego Grande transbordou e levou a ponte da BR-070, que fica nas proximidades da zona urbana de Aragarças. Os veículos estão buscando outros caminhos e prejudicando ainda mais as condições de tráfego da BR-158.

Usina – A Justiça Federal prorrogou até 13 de abril o prazo para que o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) emita a licença para a continuidade das obras da Usina de Corumbá 4, em Luziânia. As obras do empreendimento poderiam ser paralisados hoje, caso a empresa Corumbá Concessões S.A. não conseguisse estabelecer uma nova data. A licença concedida pela Agência Ambiental de Goiás foi declarada precária em outubro de 2003 pela Justiça Federal, que entendeu ser responsabilidade do órgão federal a expedição da licença. Uma audiência de conciliação entre a empresa e o Ibama ficou marcada para o dia 13 de abril.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui