Distração é motivo de 80% dos acidentes de trânsito.

Atenção! Se ligar, não dirija. Se dirigir, não ligue! A distração do motorista é motivo de 80% dos acidentes de trânsito. E não há nada que distraia mais o motorista que o celular, usado para ligações telefônicas e trocas de mensagens. Receber ou enviar mensagens de texto no trânsito pode ser mais perigoso do que dirigir embriagado. O controle do carro piora 91%.

Você acabou de ver: a falta de atenção ao volante é responsável por 80% dos acidentes de trânsito. Isso é sério! Uma pesquisa revelou também que em 93% dos casos são motoristas distraídos que se envolvem em acidentes que acertam a traseira do carro da frente.

E se existe algo que atrapalha a concentração no trânsito é esse nosso amiguinho: o celular! Dirigir falando ao celular é a quarta infração mais multada no trânsito de São Paulo. Foram 253 mil autuações em 2007!

“O celular aumenta até 400% o risco de o motorista se envolver em acidente”, explica o especialista em trânsito da Universidade de Brasília (UNB) David Duarte Lima.

Se bater-papo já é perigoso, imagine escrever mensagens de texto enquanto dirige!

Para fazer o teste do celular, nós convidamos uma motorista com quase 30 anos de direção!

“Eu vou preparar o meu floral, especialíssimo, para dar coragem para mim e para vocês que vão entrar no carro junto comigo!”, brinca a terapeuta Viviani Farah.

“O meu perfil de motorista? Ah, eu gosto de correr. Quando eu vou fazer a curva e tem gente na faixa de pedestre, eu falo ‘olha o boliche’ e vou!”, diz a terapeuta.

“Olha, eu nunca atendo celular quando eu estou dirigindo. Eu nunca acho o celular”, explica.

Levamos Viviani para o Autódromo de Interlagos, em São Paulo. Primeira lição: aprender a se sentar corretamente.

Viviani ajeita o banco como está acostumada. O instrutor de direção defensiva, Roberto Manzini, faz os acertos:

“A cabeça está longe do apoio. Em caso de choque na traseira, você teria problema na cervical. Além disso, você está com o braço muito estendido. Fica muito difícil para fazer curva, dominar o carro. Quando você posiciona as mãos corretamente, você tem mais agilidade. Vai cansar menos, principalmente na região do trapézio”, ensina.

Viviani começa com um exercício simples. Contornar cones a uma velocidade constante, evitando aceleradas e freadas bruscas. E sem derrubar os cones, claro. Qual é a importância desse exercício?

“O exercício simula uma situação na rua de você desviar de obstáculos e não frear em curva”, afirma Roberto Manzini.

Fácil, fácil. Nossa voluntária tirou de letra. O teste agora é tentar fazer a mesma coisa falando no celular.

Foi péssimo! Deu para ver que o celular atrapalha bastante.

O celular pode oferecer um risco ainda maior – as mensagens de texto.

De acordo com uma pesquisa realizada na Inglaterra, o motorista que recebe ou envia torpedos no trânsito tem reações até 35% mais lentas. O controle do carro piora 91%.

Um motorista distraído ao escrever um torpedo não consegue manter uma distância segura em relação ao carro que vai à frente, e tem dificuldade em seguir em linha reta. E isso pode ser tão perigoso quanto dirigir embriagado.

Pessoas com até oito decigramas de álcool por litro de sangue – o limite legal na Inglaterra, equivalente a pouco mais de duas latinhas de cerveja – apresentaram um desempenho melhor.

Nós fizemos também o teste do torpedo com outra motorista experiente. A professora de economia Enivalda Pina vai tentar contornar os cones. E no meio do caminho, ela vai ter que responder uma mensagem de texto enquanto dirige.

Eni atropelou cinco cones!

“Não dá. Eu perco completamente a minha concentração, visão”, admite Eni.

E muita gente fala: “Eu dirijo bem, eu consigo fazer tudo”. Não dá, porque quando você se distrai, não importa se você dirige bem ou mal. Teu foco já não é mais o volante. Então os erros vão acontecer.

Erros que podem ser evitados! Então, que tal gravar uma mensagem na sua secretária eletrônica amanhã que diz assim:

“Estou dirigindo, ligue mais tarde que eu estou ocupado, concentrado, e não posso vacilar no trânsito”!

Domingo que vem: a hora certa de trocar o pneu é o próximo assunto de “Mão na Roda”.