O Conselho Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Cetran/MT) vai editar uma resolução proibindo o trânsito de veículos pesados na MT- 251, que liga Cuiabá a Chapada dos Guimarães. A medida será tomada porque o conselho afirma que há um mês enviou uma carta de recomendação à Secretaria de Estado de Infra-Estrutura (Sinfra), que dizia não ser viável a passagem desses veículos pelo local. Mesmo assim, o secretário Vilceu Marcheti declarou, em entrevista coletiva esta semana, que a quantidade de veículos pesados que passam no local não prejudica a rodovia e nem os paredões.

Um dos membros do Cetran, Rafael Detoni, relatou que a recomendação à Sinfra partiu dos problemas que passaram a acontecer depois que caminhões passaram a trafegar pela MT com destino a cidade de Campo Verde (131 km ao sul de Cuiabá). E, se acirraram mais ainda depois de um desabamento na cachoeira Véu de Noiva no mês de abril, que feriu cerca de 15 pessoas e matou uma.

Detoni afirma que a MT-251 não foi projetada para caminhões pesados, pois eles são lentos nas subidas, largos e longos, o que dificulta a ultrapassagem, pois há poucas faixas para isso. Ou seja, colocam o trânsito em risco. Além de serem muitos pesados e estarem causando problemas na estrutura física no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães. A exemplo as rachaduras na ponte do Portão do Inferno, apontadas por professores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) logo após o acidente. Ele ainda diz que o conselho também está preocupado com os transtornos que estão ocorrendo na cidade de Chapada, pois os caminhões passam no perímetro urbano, que não está projetado para isso.

Outro lado – Marcheti disse, por meio da assessoria de imprensa, que não recebeu carta de recomendação, que o Cetran não tem legislação para proibir tráfego de veículos na MT e que quem controla o trânsito de veículos no local é a Sinfra. Na entrevista coletiva, ele apresentou um relatório que descrevia a quantidade de veículos que trafegavam pela área.