Desnível da pista começa a ser corrigido; Gazeta apontou o problema durante a semana

Curva da Santa: apesar do perigo, as obras demoraram anos. (Valterci Santos)

Depois de muitos anos assistindo acidentes quase diários, como se fosse uma praga invencível, um carma ou força do destino, finalmente o Denit – Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes – resolveu lançar mão de recursos de engenharia para corrigir o desnível da pista na Curva da Santa, km 671 da BR-376, trecho Curitiba-Joinvile, a cerca de 60 km de Curitiba. Amanhã, serão iniciadas as obras de reconstrução de alguns metros de mureta e a correção do desnível da pista com elevação do piso num trecho de aproximadamente de 50 metros. Nele será acrescentada uma nova camada de asfalto.

As providências, embora de custos relativamente baixos e de implantação rápida, devem amenizar em muito os riscos de acidentes com danos materiais, físicos e até mortes que eram constantes. Só neste ano, em apenas 63 dias, até 3 de março, foram registrados no mesmo ponto da estrada 69 ocorrências, pelo menos 10 com feridos graves. A média vinha sendo de 1,09 acidente/dia até o momento em que a Gazeta do Povo alertou para a situação. Desde então, a média caiu para 0,4, com o registro de 5 ocorrências em 9 dias.

A Polícia Rodoviária tem outra explicação para a queda das ocorrências nos últimos dias. A policial rodoviária Dicléia Tartaia diz que houve redução de trânsito na rodovia por conta do fim do período de férias. Certamente que sim, para muitos casos, mas para outros tantos, o alerta sobre o perigo e a maior vigilância da polícia no local contribuíram para que menos pessoas sofressem danos ou arriscassem a vida na Curva da Santa.

Segundo o Denit, nesta semana serão feitos os reparos de emergência para corrigir o defeito na superelevação apontada pelo laudo do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Paraná (Crea-PR). O levantamento foi feito há um ano pelos engenheiros do Crea mas só agora, com a reação da Gazeta do Povo, foi formalmente recebido pelo Denit e levado em consideração.

A obra exigirá o fechamento de pelo menos uma das três faixas da pista no sentido Garuva–Curitiba. Os trabalhos, que devem ser iniciados amanhã ou terça-feira, serão concluídos em três dias, se as condições do tempo forem favoráveis.

Segundo o Dnit, parte do aterro existente embaixo da pista cedeu, ocasionando a depressão e o problema na superelevação – ou em linguagem mais simples, o nível da curva ficou errado jogando os veículos para o lado direito, para fora da estrada. O Denit não tem informações sobre quando o problema ocorreu, mas as estatísticas de acidentes podem esclarecer uma data aproximada. O curioso é que tenha demorado tanto tempo para alguma autoridade viesse a perceber que a Curva da Santa estava em desnivel e que o problema poderia ser amenizado com obras rápidas. O trabalho a ser executado será em caráter emergencial, já que o conserto definitivo depende da elaboração de projeto e da liberação de recursos pelo Ministério dos Transportes, não havendo previsão de quando isso será possível.

O Dnit também irá promover melhorias na sinalização do trecho, como a colocação de novas placas e pintura de faixas horizontais. As faixas darão ao motorista a impressão de que ele está correndo mais e por isso a tendência é de que ele reduza a velocidade.

Outra obra que será iniciada nos próximos dias, segundo a assessoria de imprensa do Dnit, é a reconstrução da mureta de proteção, que apresenta falhas e aumenta o risco de carros caírem no penhasco existente ao lado da estrada.

O levantamento da situação e algumas das sugestões mostradas aos leitores foram apontadas informalmente por estudantes do Escritório de Engenharia Civil Júnior da Universidade Federal do Paraná, que foram até o trecho e constataram que, meses após o laudo do Crea, os problemas persistiam.

As obras devem ser acompanhadas pelo Ministério Público Federal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui