As discussões sobre as obras da BR-163 voltam à tona entre os parlamentares mato-grossenses. O deputado Dilceu Dal´Bosco (PFL) está envolvido com a organização da coleta de informações sobre as reais condições de trafegabilidade da principal rodovia que dá acesso ao estado do Pará.

Segundo o deputado, a Assembléia está montando um documentário sobre a BR-163 para ser apresentado em Brasília. Além disso, líderes do setor no Nortão, estão preparando um estudo com dados sobre a importância da rodovia para a economia nacional.

Para tentar agilizar reparos emergenciais, o parlamentar está mobilizando os deputados mato-grossenses para que todos participem da reunião com o presidente Luís Inácio Lula da Silva esta semana.

“Também quero mobilizar os deputados federais, prefeitos e líderes de classe, porque, quanto mais gente, melhor, pois é preciso mostrar a representatividade do Estado”, admitiu Dal´Bosco.

No ano passado, vários políticos, entre eles o ministro dos Transportes, Anderson Adauto, presenciaram a realidade da Br-163, em Sinop durante uma audiência pública. A proposta de Dal Bosco é também fazer um debate em Brasília explicando a viabilidade de um consórcio de pavimentação asfáltica de Santa Helena (MT) até o município de Santarém (PA).

“Recuperação e manutenção de rodovias é uma das minhas principais bandeiras, pois elas são fundamentais para o escoamento da produção agrícola. Sou do interior e conheço bem o estado precário de nossas estradas. Temos realizado um bom trabalho para reverter esse quadro, mas ainda há muito para ser feito”, ressalta o parlamentar, afirmando que é preciso manter o assunto em evidência para que não deixe de ser prioridade.

A recuperação da BR-163 começou no final de 2003 e a operação tapa-buracos, com capa asfáltica, iniciada em outubro, foi considerada suficiente para corrigir as distorções dos piores trechos – 15 quilômetros entre o Posto Gil e Nova Mutum (260 km da capital) e o trecho entre Sinop (500 km da capital) e Santa Helena – estes últimos 20 km estão recebendo recuperação pesada.

Entretanto, com as fortes chuvas de janeiro e fevereiro, todo o serviço de recuperação foi danificado e há lugares que viraram até atoleiros para os motoristas.

Por outro lado, o governo Lula, que antes defendia as obras na BR-163 como principal alternativa para o desenvolvimento dos estados que compõem a região Amazônica, passou a ser criticado pelas bancadas federais do Centro Oeste devido à justificativa de que a medida de interromper as obras na BR-163 estaria baseada na filosofia de preservação da própria Amazônia.

“Se não for selado um acordo na reunião desta semana, acredito que será necessário promover um grande protesto em Brasília e até em outro grandes centros, como São Paulo”, prevê Dal´ Bosco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui