A chuva do último fim de semana em Ribeirão Pires causou deslizamentos em pelo menos dez pontos da rodovia Índio Tibiriçá, considerada uma das mais perigosas da Grande São Paulo. A terra desceu sobre o acostamento e parte da pista, entre os Kms 44 e 50, e nesta segunda foram limpos por uma empreiteira contratada pelo DER (Departamento Estadual de Estradas de Rodagem). Porém, o estado de conservação desses pontos ainda é crítico e uma chuva forte pode causar novos problemas.

O governo estadual tem um plano de obras para a rodovia, que inclui duplicação de alguns trechos, construção de rotatórias e outras intervenções, como a contenção de encostas. As reformas da rodovia só devem começar no início de 2005, mas fazem parte de uma série de acordos assinados no mês passado pelo Consórcio Intermunicipal do Grande ABC. A rodovia passa por Santo André, São Bernardo e Ribeirão Pires, de onde segue em direção a Suzano.

A assessoria de imprensa do DER informou que os deslizamentos na rodovia não foram complexos, porque aconteceram em trechos de acostamento da via, mas que o problema já estava sendo normalizado pela empreiteira contratada. Os técnicos informaram que são raros os deslizamentos de terra na rodovia e que só aconteceriam quando chove muito por vários dias seguidos.

Técnicos do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) e IG (Instituto Geológico) eram esperados nesta segunda em Ribeirão Pires para avaliar tanto a situação das encostas dentro da cidade como da rodovia Índio Tibiriçá, mas não apareceram em razão de outras ocorrências no interior do Estado. O município deixou o nível de alerta mas continua em estado de atenção, com nove residências interditadas total ou parcialmente. Nesta segunda, quatro pessoas foram para o abrigo municipal, no Jardim Caçula, porque a casa onde moram, na rua Francisco Viola, na Vila Suely, foi interditada.

No perímetro urbano da cidade, sete casas foram interditadas por inteiro e duas residências parcialmente, somando 29 pessoas desabrigadas, que se alojaram em casas de amigos e parentes ou no abrigo municipal. A chuva do final de semana ainda causou problemas nas redes de drenagem na avenida Santo André e ruas Pedro Rípoli, Piratininga, Presidente Bernardes e João Roncon.

Nas avenidas Humberto de Campos e Sete de Setembro, o município também teve deslizamento de terra. “O problema nessas avenidas foi parcialmente resolvido com o serviço feito entre sábado e hoje (segunda). Como choveu pouco no domingo e hoje (segunda) também não teve chuva, a situação melhorou. Com isso, devemos ter uma paralisação de novas ocorrências e uma diminuição da evolução dos problemas já existentes”, disse o coordenador da Defesa Civil de Ribeirão Pires, Marcos Bandini.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui