O diretor-geral do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot, anunciou ontem, em Curitiba, que o Paraná vai receber uma série de obras dentro do Contrato de Conservação, Restauração e Manutenção (Crema) de rodovias.

O programa abrange 32 mil quilômetros de estradas em todo o País e 564 quilômetros no Estado, segundo informações da Superintendência do Dnit no Paraná. Várias regiões do Estado receberão reparos, de norte a sul, em um total de 11 trechos (veja quadro).

Entre os mais próximos à capital está um na BR-376, no contorno sul de Curitiba, e outro na BR-476, entre Curitiba e Araucária, na Região Metropolitana. Segundo o Dnit, serão investidos R$ 131 milhões nas obras.

A expectativa é que os trabalhos comecem no início do ano que vem. Pagot comentou que em todo o País os reparos devem ser feitos até 2014. “Estamos na fase de licitação das obras”, adiantou.

Trem

Na manhã de ontem, Pagot conversou com engenheiros do Instituto de Engenharia do Paraná e conheceu o projeto do trem de alta velocidade, que faria o trajeto de São Paulo a Curitiba em apenas 100 minutos. À tarde, ele se encontrou com empresários na Federação das Indústrias do Paraná (Fiep).

O diretor disse que não tem condições de avaliar a viabilidade do projeto, uma vez que é preciso conhecê-lo melhor e fazer vários cálculos para isso. Porém, garantiu que o custo previsto, que giraria em torno de R$ 6 bilhões, está dentro do esperado.

“Considerando que o trem que já estamos trabalhando, que vai do Rio (de Janeiro) até Campinas, passando por São Paulo, é de R$ 14 bilhões, o valor deste que ainda está em projeto é compatível”, comparou. O trem de Curitiba a São Paulo, no entanto, ainda não está previsto no orçamento do governo federal.

Hoje, Pagot estará em Maringá, noroeste do Paraná, onde vai se encontrar com o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. Ambos entregarão a ordem de serviço que dará início às obras do contorno norte de Maringá, orçada em R$ 145 milhões. A obra deve ser concluída em 2011.

Além desta via, Pagot deverá comentar ainda a respeito de um outro contorno em Cascavel, no oeste – que, segundo ele, também já está em fase de contratação para as obras – e um em Santo Antônio da Platina, no norte.