De acordo com o Departamento Nacional de Infra-Estrutura e Transportes (DNIT-RN), não existe nenhum plano de remoção do semáforo de Emaús. Mesmo com a proximidade com a passarela, a presença do semáforo é fundamental para o controle do tráfego na entrada na cidade, especialmente com o retorno no local. O semáforo programado para ser retirado será o da passarela próxima ao viaduto de Ponta Negra, onde a ausência de um retorno possibilita sua remoção sem prejudicar o fluxo de veículos.

A localização de um semáforo tem provocado discussões sobre a segurança e eficiência no trânsito da capital. Situado na BR 101 em Emaús, o semáforo fica a poucos metros de uma passarela, sendo considerado desnecessário por alguns moradores da região, e às vezes até mesmo perigoso, já que os pedestres optam por atravessar a estrada na altura do semáforo, para evitar a passarela.

Durante todo o tempo em que a equipe do Diário de Natal esteve no local, vários pedestres foram flagrados atravessando a BR enquanto o sinal estava fechado, logo abaixo da passarela. Para o técnico em informática Everaldo Alves da Silva, a presença do semáforo tão próximo à passarela facilita a travessia irresponsável de pedestres, que preferem arriscar a vida, à utilizar a passarela. ‘‘Já presenciei vários acidentes por aqui, com pessoas que não têm paciência para atravessar no lugar certo’’, diz.

Outra reclamação comum naquela área é o engarrafamento que se forma no semáforo durante os horários de pico, no início da manhã e no fim da tarde. Principal via de acesso à Natal, a BR 101 é movimentada o dia inteiro, mas é quando as pessoas estão indo e vindo do trabalho que o problema aumenta. ‘‘E o retorno existente aqui só piora as coisas, pois todos os carros ficam acumulados por um tempão’’, reclama Everaldo.

O que é visto como transtorno para uns, para outros é motivo de alívio. Segundo o motorista de ônibus José Merivan Amaro, o semáforo da passarela de Emaús não atrapalha ninguém, ao contrário, ajuda. Justamente por causa do retorno que existe alí. ‘‘Passo por aqui todos os dias levando estudantes para a escola e posso afirmar que o semáforo só facilita a vida de quem tem que realizar o retorno em Emaús. O trânsito realmente se acumula aqui, mas se não houvesse o semáforo, muitos acidentes já teriam ocorrido nesse trecho’’.

O funcionário público José Maria Soares também é a favor da permanência do semáforo próximo à passarela. Para ele, é um controle do trânsito bastante necessário e que inclusive, deveria ser instalado em outros pontos, como por exemplo junto à passarela do Parque Industrial, que dá acesso ao Aeroporto Internacional Augusto Severo. ‘‘Se houvesse um semáforo na saída do Parque Industrial, muita gente não precisaria ir até o viaduto para fazer o retorno, já que atravessar a rodovia do jeito que está é perigoso e exige muita paciência dos motoristas’’, reclama.