Desde a padronização das placas de veículos regulamentadas pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), em janeiro, o emplacamento simples em algumas cidades aqui da região ficou mais demorado. A justificativa é que não há placas comuns em estoque, mas a situação pode ser diferente se o motorista quiser pagar um pouco a mais.

O problema afeta motoristas de Campinas e de várias cidades da região, como Cosmópolis, onde motoristas chegaram a ser multados por andar sem placa enquanto aguardavam emplacamento, em maio.

Em junho, Paulínia, Nova Odessa, Sumaré e Hortolândia também enfrentavam demora no emplacamento com o modelo comum. O valor extra cobrado pela placa especial nestas cidades variava entre R$ 40,00 e R$ 80,00 e a instalação era imediata.

A legislação permite que carros novos circulem sem placa por no máximo cinco dias após a compra. Após esse prazo, o motorista pode ser multado em R$ 192,00 e o veículo apreendido. O condutor também recebe sete pontos na carteira.

O representante da empresa que fabrica as placas conversou por telefone com a reportagem da EPTV e alega que a demora na entrega foi ocasionada pela determinação do Detran de substituir as placas no momento da transferência, medida necessária para adequar ao novo formato de letras e números.

O Detran se nega a falar sobre a falta de placas comuns. A assessoria do departamento informou que a Corregedoria analisa as denúncias, mas que estão proibidos de divulgar informações sobre o andamento dos processos e que as irregularidades devem ser apuradas pelas Ciretrans de cada município.