Uma nova alternativa de acesso para Araranguá será pauta de encontro nos próximos dias entre representantes da Associação Comercial do Vale do Araranguá (Aciva) e o coordenador do Departamento Nacional de Infra-estrutura e Transportes (DNIT/SC), João José dos Santos.

O Acesso Norte não está contemplado na atual obra de duplicação da BR-101. A idéia é encaminhar posteriormente o projeto também para a senadora Ideli Salvatti, em Brasília, com o objetivo de que possa ser integrado ao Plano Nacional de Viação.

Conforme o presidente da Aciva, Karoly Agardi, no novo traçado da BR-101, o município ficaria apenas com dois acessos, um no Sul e outro Central. Este último seria pela rodovia estadual que liga Araranguá a Meleiro. “Ficará muito longe para entrar no centro da cidade. Temos um grande comércio e isso prejudicaria demais os lojistas”, justifica.

A construção do acesso norte permitiria a entrada na cidade pela Avenida Sete de Setembro, com a confecção de mais uma ponte sobre o Rio Araranguá. “Nossa preocupação é com a qualidade de vida da população, com o meio ambiente e com o desenvolvimento da nossa região”, ressalta Agardi.

Trecho em obras possui 348 quilômetros

A adequação da capacidade e duplicação da BR-101 Sul é uma obra do Governo Federal, realizada pelo Ministério dos Transportes e executada pelo DNIT. O trecho possui 348 quilômetros de rodovia e liga Palhoça (SC) a Osório (RS). A obra beneficiará uma população de cerca de 800 mil habitantes em 25 municípios nos dois estados, integrando o importante eixo rodoviário por onde circulam turistas, sendo também a rota do Mercosul.