Piratininga – Moradores e proprietários de terras da área rural Água do Pântano, em Piratininga (13 quilômetros de Bauru), se reuniram ontem de manhã para protestar contra o fechamento da única estrada municipal que dava acesso à rodovia Bauru-Marília (SP-294). A via de terra, de cerca de 400 metros, era utilizada pelos sitiantes e moradores há vários anos para se deslocarem até a cidade.

Agora, os moradores são obrigados a utilizar uma estrada alternativa particular que aumenta o trajeto em aproximadamente 1.800 metros. De acordo com os moradores, a antiga estrada foi fechada em meados do mês passado e, desde então, tem trazido “dor de cabeça”, principalmente para quem faz o percurso a pé para tomar o ônibus na rodovia.

O sitiante Carlos Bevilaqua Terceiro, que possui plantação de hortaliças, explica que com o fechamento da antiga estrada agora ele leva o dobro do tempo para transportar verduras para as feiras livres em Bauru. “Prejudica bastante. A gente faz feira livre e sai quase todos os dias”, diz.

Preocupados com a situação, um grupo de proprietários rurais encaminharam, no último dia 22, uma carta ao prefeito de Piratininga, Odail Falqueiro (PTB), pedindo para que a Prefeitura reabra a estrada. Ela foi fechada com uma cerca de arame e postes de concreto, além de um monte de terra.

Os moradores querem que o setor de obras da Prefeitura faça um estudo no local e que providencie a reabertura da estrada municipal que corta a Fazenda Santa Rita. Segundo os moradores, o proprietário da fazenda tem acesso direto à SP-294 e o trecho bloqueado seria pouco utilizado por ele. No entanto, é de grande utilidade para os moradores da região.

A estrada alternativa utilizada atualmente pelos moradores é particular e fica dentro de outra fazenda. Num gesto de boa vontade com os moradores, o proprietário permitiu o uso da via provisoriamente até que uma solução seja encontrada. Porém, uma nova estrada já está sendo aberta por tratores, inclusive da Prefeitura, paralelamente à estrada alternativa e dentro da Fazenda Santa Rita.

No entanto, ao “rasgar” um leito para a estrada, árvores teriam sido derrubadas. A ação foi denunciada pelos moradores que acionaram a Polícia Ambiental. Ontem de manhã, os policiais estiveram no local e fizeram as medições na área. O proprietário da fazenda não foi localizado pelos policiais, apenas o administrador, que não quis falar com a reportagem. “Se não tiver a autorização do órgão competente é feita a multa e terá que reparar o dano que causou”, comenta o soldado PM Pizzutti.

Assoreamento

Ricardo Luís Cavallari, coordenador rural da Prefeitura de Piratininga, alega que o fechamento da estrada foi necessário para cumprir determinação da Defesa Agropecuária de Bauru. Segundo ele, o local foi interditado pois oferecia riscos para os usuários devido a uma passagem por uma pequena ponte que estava perigando cair.

Além disso, há assoreamento de um córrego abaixo da via, devido ao escoamento de água que descia da propriedade e passava pela estrada. “Vamos examinar os documentos na prefeitura para verificar se a estrada alternativa é da prefeitura e vamos requerer a posse. Se não for, vamos continuar a abrir a estrada paralela”, avisa Cavallari. A abertura da nova estrada, no entanto, foi interrompida ontem até que todos os documentos exigidos pela Polícia Ambiental estejam disponíveis.

Os moradores disseram que pretendem pedir a intervenção do Ministério Público (MP) para a reabertura da estrada original.