Nas rodovias estaduais, o número de mortes também diminuiu. No ano passado, 194 pessoas perderam a vida em comparação as 209 de 2000. A redução foi de 7,18%. Porém, o volume de acidentes foi maior, como o de feridos, que aumentou 11,19%.
Em 2001, foram 9.948 veículos acidentados, o que corresponde a 8,7% a mais que o ano anterior. De acordo com o tenente Marcelo Pontes, do serviço de relações públicas da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), o aumento de veículos circulando nas 73 rodovias de competência do Estado foi em torno de 20%. “Na Capital estamos com um fluxo de quase 85 mil automóveis diários durante o Verão”, explicou o oficial, relatando que a SC-401, que faz a ligação do Centro com o Norte da Ilha, é a que apresenta o maior número de acidentes.
Outras rodovias consideradas palco de ocorrências graves são a SC-444, que faz ligação da BR-101 com o Sul do Estado, e a SC-486, que dá acesso da mesma rodovia federal com o Vale do Itajaí. A exemplo da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Pontes também citou o rigor da fiscalização da polícia nas rodovias e a maior atenção dos motoristas no trânsito como razões para a queda das mortes.
Os 3.584 acidentes sem vítimas ocorridos em Santa Catarina, em 2001, são interpretados pela PRE como a redução da velocidade por parte de alguns motoristas, aliado ao uso correto de equipamento e assessórios de segurança, como o cinto.
O presidente do Movimento Nacional de Educação para o Trânsito (Monatran), Roberto Sá, espera que a redução dos acidentes nas estradas federais e estaduais continuem nos próximos anos. Ele evidencia o trabalho do policiamento e as campanhas promovidas pela mídia, que intensificaram o respeito pela vida nas rodovias. “Mesmo com essa queda, não podemos comemorar o balanço, pois as mortes continuam ocorrendo”, opinou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui