Cerca de 300 alunos da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) bloquearam ontem, às 15h, a BR 101 (Campos/Rio de Janeiro), na altura do km 68, para reivindicar, entre outras melhorias, a concessão do bandejão. A manifestação, que durou 30 minutos, paralisou o trânsito nos dois sentidos da rodovia, mas não houve congestionamento, já que grande parte dos carros veículos utilizou um atalho de uma propriedade rural. A barreira montada com pneus em chamas foi desfeita após negociação pacífica entre a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e os manifestantes, durante 10 minutos. O Corpo de Bombeiros compareceu para apagar o fogo e funcionários da Autopista Fluminense fizeram a limpeza do local, sob vigilância da Polícia Militar.

Com faixas, cartazes, rostos pintados e nariz de palhaço, os estudantes chegaram em quatro ônibus e gritavam palavras de ordem como “Quem não come, não pesquisa” e “Reitoria e TCE até quando esperaremos o bandejão?”. O movimento terminou com uma passeata até o Shopping Estrada.

Segundo uma das organizadoras do movimento, Yolanda Ribeiro, que cursa o oitavo período de Ciências Sociais, o bandejão reduziria os gastos que os alunos têm para estudar. “Pagamos aluguel, porque a maioria é de fora e a alimentação é muito cara, o que acaba trazendo uma série de prejuízos para todos”.

O caminhoneiro Rubem Severino disse que o protesto dos estudantes é democrático, mas o movimento prejudicou o fluxo de veículos.

A assessoria de Comunicação da Uenf informou que a reitoria encaminhou adequadamente as reivindicações dos alunos, como equiparação do valor das bolsas de estudo ao salário mínimo e implementação da moradia estudantil, e, no caso do bandejão, o edital já está publicado e aguarda a realização da concorrência pública para iniciar as obras de construção do restaurante, marcadas para 13 de outubro.