Na semana passada, um ônibus bateu em um caminhão na rodovia. Dez pessoas morreram. Dos 27 feridos, 12 continuam internados.

São muitos os perigos das estradas brasileiras. Na semana passada, um acidente matou dez pessoas na região de Ribeirão (PE), na BR-101. A maioria era estudantes. Para uma cidade inteira que depende da rodovia, ter que passar por ela causa medo e dor.

Celso ainda sente dores no corpo, mas decidiu voltar para a faculdade. Ele era um dos passageiros do ônibus que bateu contra um caminhão na última quarta-feira (10). Dez pessoas morreram. Dos 27 feridos, 12 continuam internados.

Antes de entrar na rodovia, os estudantes de Ribeirão que estudam em Palmares, na Zona da Mata, pediram proteção. A viagem de 38 quilômetros foi tensa.

“É triste pela perda que tivemos, mas estamos confiantes, pedindo a Deus proteção sempre nessas estradas perigosas”, disse a estudante Carla Renata Lins. “Antes eu conseguia tirar um cochilo. Agora não durmo mais”, comenta outro estudante.

A obra de duplicação está longe de ser concluída. No asfalto, não há nem sinal das faixas que indicam quando o motorista pode ultrapassar.

No local onde o acidente aconteceu, não existe nenhuma placa indicando a curva para a direita. A falta de sinalização pode ter contribuído para que o motorista do ônibus fizesse uma ultrapassagem no local proibido.

Ao todo, 28 pessoas morreram nas rodovias federais em Pernambuco este ano, três a mais do em que todo o ano de 2007. Os problemas não estão só na estrada. Farol quebrado, pneu careca e motorista imprudente também podem provocar acidentes.

“Para dirigir eu tiro a sandália. Trabalho descalço”, diz um motorista.

“De vem em quando encontra boi ou cavalo, mas isso é brincadeira. A gente já está acostumado”, conta outro motorista.