O trecho da BR 040 entre Belo Horizonte e Conselheiro Lafaiete, finalmente está em obras. Para aumentar a segurança dos motoristas, o projeto prevê duplicação de pistas, mudanças no traçado, construção de um novo viaduto e recapeamento do asfalto. Logo na saída de Belo Horizonte, sentido Rio, uma faixa interditada. O Trânsito é lento, e o trabalho de manutenção, no trecho que chega até Conselheiro Lafaiete, deve durar dois meses.

Duas obras vão mudar o traçado da BR 040, em trechos que estão entre os cinco mais perigosos da rodovia. Um deles é no viaduto em curva conhecido como Viaduto das Almas por causa do grande número de acidentes. Ele vai ser substituído por um outro, em linha reta. A construção deve terminar em abril do ano que vem.

O outro trecho que vai mudar é o da chamada curva do sabão, no quilômetro 580, onde as obras por onde a estrada vai passar já começaram, ao lado. O investimento de uma empresa também deve desafogar um trecho da rodovia. Uma estrada particular vai evitar que os caminhões de uma mineradora passem pela BR, um alivio para os motoristas próximo as mineradoras da cidade de Congonhas.

As péssimas condições da BR-040 foram discutidas nesta terça-feira 30 de setembro/2008, na Assembléia Legislativa em Belo Horizonte. A reclamação é uma só: buracos, que se transformam o trecho em armadilhas fatais, uma seqüência de pneus furados é o resultado do desgaste da pista que tem como causa, o constante tráfego de caminhões de minério. No trecho da estrada na região de Itabirito, parte da pista, no sentido capital, cedeu. Um buraco com mais de 6 metros fica bem no meio da curva e há anos tem preocupado os motorista.

A BR-040 é a segunda estrada mais perigosa do estado, só perde para a BR-381. Os dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) mostram que, apenas num trecho de 106 quilômetros, entre a capital e Conselheiro Lafaiete , o número de acidentes nos primeiros quatros meses do ano subiu quase 7% na comparação com o mesmo período do ano passado.

O asfalto, segundo os técnicos, é projetado para durar, em média, dez anos, mas o Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transporte (Dnit) informou que a última restauração do trecho entre BH e Lafaiete foi há 24 anos, mais do que o dobro do tempo considerado ideal. Além disso, o tráfego intenso agrava a situação. Passam pela rodovia, todos os dias, 75 mil veículos, sendo que 15% desse fluxo correspondem a caminhões pesados, de acordo com os patrulheiros.

Na audiência pública realizada na assembléia, o Dnit anunciou obras de tapa-buracos e de restauração no trecho sendo enfatizado a também chamada Rodovia do Minério. O projeto, desenvolvido pelas mineradoras da região, já está pronto e vai custar, às empresas privadas, R$ 29,7 milhões. A estrada ligaria Belo Vale a Congonhas e tiraria 80% do tráfego de caminhões de minério da BR-040. O viaduto que está sendo construído para substituir o chamado Viaduto das Almas ficará pronto até fevereiro, mas a obra completa só será entregue no fim do primeiro semestre do ano que vem.