O ministro dos Transportes, Anderson Adauto, garantiu liberar, até o fim do ano, mais R$ 4 milhões para a conclusão das obras do viaduto de Parnamirim, que ele visitou na manhã desta terça-feira (23), ao lado da governadora Wilma de Faria e do prefeito Agnelo Alves. “Vimos que os R$ 6 milhões liberados anteriormente foram insuficientes para terminar a obra”, disse o ministro. A governadora Wilma de Faria ressaltou que os R$ 6 milhões que o governo federal voltou a investir na construção do viaduto correspondem a uma pequena parcela dos R$ 176 milhões de recursos federais contingenciados e previstos no Orçamento Geral da União de 2003 (OGU) para o Rio Grande do Norte.

Anderson Adauto e Wilma de Faria também assinaram convênio, no valor de R$ 4 milhões, para a reconstrução de 115 quilômetros da rodovia BR-405, no trecho entre Mossoró e Itaú, no Oeste do Estado, atende a uma das principais reivindicações da população da região, pela importância que tem para o setor produtivo. A BR-405 é uma via de ligação entre os estados do Rio Grande do Norte e a Paraíba, por onde circulam diariamente, em média, 700 veículos de carga, boa parte transportando sal e petróleo produzidos na região.

O valor do convênio assinado entre os governos estadual e federal é de R$ 2,2 milhões. Os recursos restantes correspondem ao contrato que o DNIT (Departamento Nacional de Infra-estrutura dos Transportes) assinará com a empresa responsável pela obra, pela qual repassará diretamente os insumos usados na aplicação do asfalto necessário, aproximadamente 100 toneladas do produto.

Segundo o ministro, o propósito do governo federal é concluir 500 obras inacabadas – “Independente de quem as iniciou” – e recuperar e salvar as rodovias federais, pois 80% delas têm mais de dez anos, algumas com até 15 e 20 anos, “mas nunca passaram por um processo de restauração” e que, em decorrência do tempo, “estão se degradando rapidamente”.

Adauto explicou que até dezembro de 2003 o governo pretende restaurar os principais eixos rodoviários do país e que, a exemplo da BR-405, tornaram-se intransitáveis “por falta de contrato de manutenção”. Para superar essas dificuldades, o ministro disse que sua pasta firmou parceria com a Petrobras para comprar material betuminoso a baixo custo, eliminando-se os intermediários.

A governadora Wilma de Faria, por sua vez, afirmou que, como o governo federal encontrou um Estado em dificuldades e com escassez de recursos, inclusive pela queda de receitas como citou o ministro, a administração estadual racionalizou o uso de recursos para torná-los “mais elástico”. Essa estratégia permitiu, por exemplo, recuperar 900 quilômetros de estradas com recursos próprios e abrir licitação para restaurar mais 1.100 quilômetros. “Vamos investir R$ 30 milhões em estradas até o fim do ano”, pontuou a governadora, que também falou sobre a construção de 105 quilômetros de estradas novas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui