Pelo menos 27 obras, incluindo empreendimentos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), estão interrompidas em Mato Grosso do Sul devido à greve dos servidores do DNIT (Departamento Nacional de Infra-Estrutura e Transporte), iniciada há uma semana.

Além das obras, pelo menos oito licitações, orçadas em R$ 120 milhões, também estão interrompidas. Em Dourados, segundo a Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul), as obras do PAC para esgoto e rede de água continuam normalmente.

De acordo com Dilço Martins, membro da comissão de negociação em MS, a greve foi deflagrada há uma semana porque o governo teria descumprido acordo estabelecido com a categoria, através da Medida Provisória 441.

Os servidores do DNIT cobram reestruturação do órgão, contratação de 300 fiscais para MS e equiparação com a tabela salarial da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre).

“A ANTT também está ligada ao Ministério dos Transportes, assim como o DNIT, e exerce funções semelhantes. Apesar disso, a diferença salarial chega a 135% em alguns cargos técnicos”, afirma.

Dilço Martins disse que a categoria também cobra a contratação de mais servidores já que, desde a criação do DNIT, o órgão também incorporou serviços de hidrovia e ferrovia.

“São melhorias importantes para nós e para a população, para que haja um planejamento para o futuro, com obras bem elaboradas e fiscalizadas”, diz ele. Segundo o sindicalista, a greve será mantida por tempo indeterminada até que o governo reabra as negociações.

A greve do DNIT já provoca interrupção em pelo menos 27 obras federais no Estado, incluindo aquelas executadas com recursos do PAC. Dilço Martins explica que o serviço é executado por empresas terceirizadas, mas sem a fiscalização do DNIT o trabalho fica impossibilitado.

Entre as obras interrompidas, está a ampliação da pista e construção de rotatórias na BR-163, em Dourados. Segundo ele, também por causa da greve, pelo menos oito processos licitatórios foram interrompidos. Entre obras em execução e licitação, o montante chega a R$ 320 milhões. O DNIT possui 69 funcionários em MS, com adesão total à paralisação.

Dourados

Em Dourados, segundo o gestor técnico da Sanesul, Francisco Prado, as obras esgoto e rede de água pelo PAC continuam, já que são executadas pela estatal. “Nas obras da Sanesul, não houve qualquer descontinuidade”, garante.

No total, os recursos do PAC para Dourados chegam a R$ 52 milhões para redes de água e esgoto. Segundo o gestor, continuam em andamento as obras de ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto do jardim Água Boa e da Estação de Tratamento de Água na beira da rodovia BR-163, com construção de um reservatório de passagem de um milhão de litros. As obras do PAC pela Sanesul serão executadas em sete etapas.