Serviços emergenciais como a recuperação da “ponte do Gervásio”, na BR-304, na saída de Mossoró para Fortaleza (CE), não serão interrompidos com a greve dos 52 funcionários da Superintendência do Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes (Dnit) no Rio Grande do Norte, que ontem aderiram à paralisação nacional dos servidores da autarquia, iniciada ontem, e com prazo indeterminado para acabar.

O contador Luís Otávio Alves é um dos membros do comando de greve no Estado e conta que um dos serviços essenciais mantidos, é a autorização especial de trânsito (AETs) para alguns tipos de veículos pesados, “que têm dimensões acima do comum e precisam trafegar com o máximo de segurança”.

Porém, ele disse que as obras do PAC, o chamado Programa de Aceleração do Crescimento do governo federal, poderão, indiretamente, sofrer paralisações porque os supervisores e técnicos do Dnit responsáveis pela fiscalização de obras como a duplicação da BR-101, vão deixar de realizar esse trabalho até o governo atender as reivindicações da categoria sobre a reestruturação da carreira e da própria autarquia.

A inspeção das obras é necessária para a expedição de ordem e pagamento dos serviços pelos executores das obras, que no caso da BR-101, é de responsabilidade do Exército.

Luís Alves explica que o percentual mínimo legal exigido de 30% de servidores trabalhando será compensado pelos ocupantes de cargos de confiança, “que não aderiram à greve”.

Alves informou que em 2007 os servidores do Dnit já haviam realizado uma paralisação, a fim de pressionar o governo a realizar concursos públicos, porque de um total de três previstos, até agora só foi feito um, em 2006. “Também estamos pedindo a progressão funcional anual e equiparação salarial aos cargos paritários das agências reguladoras”, disse ele, com relação aos quadros de servidores das Agências Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e de Transportes Aquaviários (ANTAQ).

Segundo Alves, apesar do reajuste salarial recentemente concedido pelo governo, por exemplo, um analista administrativo que ganha R$ 4.700 no Dnit, tem remuneração bem inferior ao ocupante do mesmo cargo na ANTT ou ANTAQ, onde o salário é de R$ 10 mil.

Alves ainda informou que a greve do Dnit no Rio Grande do Norte atinge a sede da autarquia em Natal, a 14ª Unidade de Infra-estrutura Terrestre, e em suas três unidades locais no interior: Currais Novos, Macaíba e Mossoró. A greve atinge 20 das 23 superintendências regionais, inclusive a sede nacional em Brasília.