O limite de velocidade não “segura” o pé de muitos motoristas. A equipe de A GAZETA flagrou, na manhã de ontem, motoristas dirigindo a até 120 Km/h em vias da Capital, cuja a velocidade máxima permitida não ultrapassava os 80 Km/h.

A velocidade, que tanto agiliza e até satisfaz o ego de alguns motoristas, é a mesma que preocupa os pedestres, que viram reféns dos pilotos de pista, como a doméstica Sandra Maria de Jesus, 34 anos. “Eles pisam mesmo na acelerador e avançam o sinal. Tenho até medo de atravessar a rua”, conta.

Para o autônomo Valdomiro Moreira da Silva, 43 anos, o cuidado dos pedestres evita muitos acidentes. “Se a gente não ficar atento ao fluxo e ao sinal, eles pegam a gente”, alertou.

Segundo o secretário de Transportes de Vila Velha, Ari Bastos, o excesso de velocidade é responsável por cerca de 70% dos acidentes graves de trânsito, muitos deles fatais.

Apesar de não haver estatísticas específicas sobre essas infrações, tanto Vila Velha quanto Vitória e Serra já conhecem os pontos em que o excesso de velocidade é freqüente (veja o quadro) e já estudam saídas para enfrentar o problema.

Radares

Adepto das caminhadas ao ar livre, o aposentado élio Carlos Pereira, 61 anos, já está acostumado ao perigo da alta velocidade. “Não dá para confiar nem na faixa de pedestre nem no sinal vermelho. Os motoristas correm tanto que agora todo mundo está colocando detector de velocidade”, comentou.

Os municípios da Grande Vitória que já municipalizaram o trânsito – Vitória, Vila Velha e Serra – estão estudando medidas para implantar a fiscalização eletrônica nas vias como forma de frear apressadinhos.

Eles funcionariam como inibidor para esses motoristas que, segundo especialistas, “odeiam” obstáculos. “Eles não gostam de semáforos, quebra-molas e radares. Se a pista tiver duas faixas, eles fazem a festa”, comenta o diretor do Departamento de Trânsito da Serra, Fernando Elias Miguel Assad.

Nos finais de semana e durante a noite as infrações são mais comuns, segundo o diretor de Operação e Fiscalização de Trânsito de Vitória, Mário Natali. “O pior é quando esses motoristas misturam a imprudência do excesso de velocidade ao consumo de álcool ao volante”, salientou.

Em Vila Velha, pelo menos 12 radares devem ser instalados no primeiro semestre do ano que vem. Na Serra e em Vitória, a quantidade e o prazo ainda não foram definidos, mas os estudos sobre a fiscalização eletrônica estão em andamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui