Desde que a Lei Seca entrou em vigor, no dia 20 de junho, o número de acidentes com mortos e feridos diminuiu em Alagoas. Segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o dispositivo que pune motoristas que dirigem sob o efeito de bebidas alcoólicas está contribuindo para que as ocorrências apresentem quedas nas rodovias alagoanas, juntamente com uma maior conscientização dos motoristas.

Comparando-se o número de acidentes com feridos com os mesmos períodos do ano passado, verificou-se uma queda de 18% em julho e 2% em agosto. Já acidentes com mortos caíram 54% em julho e 75% em agosto. Colisões apenas como danos matérias apresentaram um empate técnico.

“Realmente, os números mostram que a Lei Seca está contribuindo para a diminuição dos acidentes com vítimas, o que é o seu objetivo. Mas, claro que não é apenas isso. As pessoas estão tomando mais consciência, o que é de fundamental importância. Os números do começo do ano estavam bem altos. Os acidentes estão caindo e isso é uma realidade do Brasil como um todo”, disse o inspetor Jeferson Santos, assessor da comunicação da PRF em Alagoas.

A área mais crítica no estado, segundo o inspetor, é o trecho da BR-316, que corta Maceió. Ele explicou que a maioria das ocorrências envolvendo motoristas que beberam acima do permitido aconteceram nessa área. Foram registradas 23 prisões, mas em grande parte dos casos não houve acidentes, as detenções ocorreram de maneira preventiva em abordagens de rotina dos patrulheiros da PRF.

“Dos 23 casos apenas uma pessoa se recusou a fazer o exame. Se a pessoa se recusar a fazer o exame, já recebe a multa. Não tem como o policial forjar a ocorrência, uma vez que é preciso preencher um Termo de Constatação de Embriaguez. De um modo geral, se alguém se recusa a fazer o exame é porque deve ter ingerido álcool. É interessante frisar que a Polícia não quer punir nem multar ninguém, também não queremos prender, apenas fazer com que as pessoas entendam que beber e dirigir são coisas que não combinam”, observou Jeferson.

Pela Lei Seca, não é permitido o consumo de qualquer quantidade de álcool. Antes, era permitida a ingestão de até 6 decigramas de álcool por litro de sangue (o equivalente a mais ou menos dois copos de cerveja). Quem for flagrado dirigindo depois de beber, além da multa de R$ 955, pode perder a carteira de motorista por 12 meses.

Palestras

O assessor de comunicação da PRF em Alagoas disse que nas palestras que a instituição promove no estado temas relacionados ao consumo de álcool nas mais diversas situações são abordados. Ele disse que a preocupação da PRF é mostrar os malefícios que o consumo excessivo de bebidas alcoólicas causa, não apenas para os que dirigem.

“Nós sempre damos esse tom nas palestras. É importante falar para todos, até porque tem muita gente que não é motorista, mas precisa ser informado que beber demais pode causar graves problemas. Temos que entender também que todos fazem parte do trânsito, mesmo quando não somos condutores. Até quem dirige, na maior parte do tempo é pedestre, por isso temos a intenção de mostrar, por meio das nossas palestras, o quanto o álcool faz mal”, encerrou Jeferson.