Com um dia de atraso do previsto inicialmente, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) abriu ontem as licitações para as obras nas Rodovias Mogi-Bertioga (SP-98) e Índio Tibiriçá (SP-31). Mas enquanto a ligação com o ABC e a Baixada Santista, a partir de Suzano, vai receber investimentos de R$ 71, 5 milhões e terá, entre outras coisas, as pistas separadas por canteiros centrais, a ligação entre Mogi das Cruzes e o Litoral vai ganhar apenas acostamento e outras pequenas intervenções, num total de R$ 8,8 milhões. A previsão é de que as obras tenham início em setembro. A Rodovia Mogi-Salesópolis-Pitas (SP-88) também deverá ter investimentos de R$ 93 milhões e a licitação será aberta no próximo dia 26.

Das licitações abertas ontem, o maior investimento é na Índio Tibiriçá, cuja obra está dividida em três lotes, que contemplam recuperação e melhoria das estruturas existentes, segregação das pistas com canteiro central nos trechos urbanos (duplicação), baias de ônibus, uma nova alça de ligação da SP-31 para a SP-122 (Ribeirão Pires), recuperação da Ponte Seca e remoção de passarela.

Na Mogi-Bertioga, porém, ao invés da esperada duplicação será feita apenas a implantação e pavimentação de acostamento no trecho de Planalto, instalação de áreas de refúgio para ônibus entre o Planalto e a Serra e a construção de uma segunda ponte sobre o Rio Guacá. Esta última intervenção demandará metade do investimento de R$ 8,8 milhões, que contempla também pontos de ônibus em toda a extensão. A expectativa é de que os serviços na ligação com o Litoral sejam concluídos num período de oito e 10 meses, sendo que os envelopes com as propostas serão abertos no próximo dia 30 (junto aos da Índio Tibiriçá).

No caso da Mogi-Salesópolis-Pitas, o DER informou que a obra contemplará 78 quilômetros de extensão, desde Mogi até o entroncamento com a Rodovia dos Tamoios. Serão implantadas terceira faixa, recapeamento e regularização de acostamento, com expectativa de 12 meses para execução.