Rodovia fica paralisada por duas horas; reivindicação é por melhorias no local

BARRA MANSA – Moradores dos bairros Jardim Guanabara, Santa Inês, Boa Vista I, II e III, entre outros, realizaram na manhã de ontem um protesto reivindicando melhorias na BR-393, a Rodovia Lúcio Meira. Os inúmeros buracos têm ocasionado acidentes no local, inclusive com vítimas fatais. No início do mês, o A VOZ DA CIDADE publicou uma reportagem sobre os problemas, mas na ocasião o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit) não foi encontrado para responder às reivindicações dos moradores. Hoje, será realizada uma reunião entre representantes da comunidade e do Dnit, às 9 horas, na sede do órgão, em Barra Mansa. Apesar dessa sede ficar a pouco mais de 200 metros do local da manifestação, nenhum representante do órgão apareceu.

A comunidade paralisou a rodovia por aproximadamente duas horas, queimando pneus e lixo verde. O congestionamento chegou a mais de dez quilômetros nos dois sentidos da rodovia. A Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e a Policia Rodoviária Federal estiveram no local. O chefe do Núcleo de Operações da 7ª Delegacia, de Barra do Piraí, Roberto Baldini Figueira, achou válida a manifestação dos moradores. “A rodovia já é objeto de estudo da Polícia Rodoviária Federal há um certo tempo. Amanhã (hoje), na reunião, vamos levar esse estudo e ver quais medidas o Dnit pode tomar para melhorar essa situação”, informa Baldini.

De acordo com ele, o trecho entre o Jardim Amália, em Volta Redonda, e a Região Leste, em Barra Mansa, de dez quilômetros, ainda é de responsabilidade do Dnit. O restante é de responsabilidade da Rodovia do Aço, empresa da Concessionária Acciona.

De acordo com a dona-de-casa Elisabete Silva Henrique, 52 anos, quase todos os dias têm acontecido acidentes no local. “Estão morrendo muitas pessoas aqui, quase todos os dias há um acidente, vários moradores da Região Leste já se acidentaram. É uma rodovia muito perigosa e queremos uma solução para isso”, destaca a moradora.
O aposentado Sueligton da Silva Rosa, 50 anos, sofreu um acidente segunda-feira na entrada do bairro Guanabara. “Um caminhão foi desviar dos buracos e foi para cima do meu carro. Para não bater, joguei o carro para o meio do mato e capotei. Sorte que estava sozinho e nada de grave aconteceu”, lembra o aposentado.
O vereador Zé Abel (PMDB), presente na manifestação, apoia a decisão da comunidade. “Esses buracos já vitimaram muitas pessoas, sempre ajudei a comunidade a lutar por melhorias, mas nada foi feito”, cita o vereador.

Também presente no local, o vereador de Volta Redonda Marquinho Motorista, (PCdoB) já sentiu na pele os transtornos da rodovia. “Conheço bem os problemas que a comunidade tem passado, já dirigi muito por aqui e senti na pele os problemas por conta de buracos. Já presenciei diversos acidentes no trecho em questão”, afirma o vereador, referindo-se ao km 293, próximo à entrada no Jardim Guanabara.
O presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Volta Redonda e Região Sul Fluminense, Francisco Wilde, lembra que em três anos foram seis mortes. “Enquanto não acontecer um acidente envolvendo alguma personalidade importante, o Dnit não vão arrumar este trecho. Lutamos por melhorias, mas é difícil achar o responsável, o Dnit é um grande jogo de empurra”, analisa o presidente.