Moradores da comunidade de Baixio, em Aracati, a 159 quilômetros de Fortaleza, e de outras próximas pertencentes ao vizinho município de Fortim, distante 145 quilômetros da Capital, prometem fechar hoje a CE-040, a altura do quilômetro 130, numa manifestação de protesto contra a situação na qual se encontra a rodovia estadual. Conforme denunciam, desde janeiro último que estão paralisadas as obras de reasfaltamento de um trecho de seis quilômetros da estrada, e essa situação vem prejudicando a população que mora às margens da CE, entre os dois municípios. O ato está marcado para ter início por volta das 9h30min.

A principal queixa é de que os carros que passam em alta velocidade no trecho carroçável da rodovia deixam para trás um rastro de poeira, que acaba entrando nas casas e na escola de Baixio. Enquanto isso, os moradores sofrem as conseqüências ficando doentes. O secretário do Turismo de Fortim, Lázaro Júnior Medeiros de Melo, um dos organizadores da manifestação, informa que donas de casa e crianças de Baixio estão convivendo com uma série de problemas de saúde em função da situação. Melo revela que a construtora responsável pelos serviços começou quebrando o asfalto a cada dois quilômetros, e em seguida refazendo cada trecho retirado. No entanto, no início deste ano, quebrou logo seis quilômetros de uma vez, abandonando a obra sem qualquer explicação.

Conforme o Secretário, Fortim já sofreu os efeitos negativos do problema no carnaval. Segundo ele, houve uma redução significativa de pessoas que costumavam buscar a praia de Pontal de Maceió no período, dada a dificuldade de acesso pelo trecho carroçável e esburacado. Revela que topiqueiros que operam a linha entre Aracati e Fortim também estão sendo muito prejudicados. Já enviamos ofícios ao Departamento de Edificações, Rodovias e Transportes (Dert), mas não obtivemos nenhuma resposta”, diz, esclarecendo que a manifestação organizada pelos moradores tem por objetivo cobrar providências.

De acordo com o superintendente do Dert, Paulo Ayrton Cavalcante Araújo, os trabalhos de reasfaltamento do trecho foram suspensos temporariamente por causa das chuvas. Ele explica que a pavimentação asfáltica exige que a base esteja totalmente seca, de modo que as precipitações, mesmo estando mais espaçadas atualmente, não estão deixando que o solo fique inteiramente bom para a aplicação da camada de asfalto. Araújo destaca que o Dert aguarda o término da temporada de chuvas para voltar aos trabalhos. Avalia que provavelmente isso só será possível a partir da segunda quinzena de maio próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui