Segundo denúncias, alguns classificados têm mesmo sobrenome e tiveram notas iguais. Organizadora diz que denúncias estão sendo apuradas, mas não se mostram procedentes.

O Núcleo de Computação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (NCE/UFRJ) divulgou nota oficial em seu site após receber várias denúncias de fraude feitas por candidatos que concorreram a 354 vagas na Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT). As provas foram aplicadas no dia 1º – se inscreveram para o concurso 27.172 candidatos. Os salários vão de R$ 1.982,17 a R$ 5.535,60.

Entre as denúncias dos candidatos estão que alguns classificados têm o mesmo sobrenome e tiveram notas similares, e o estado do Rio de Janeiro teve o maior número de aprovados e também a maior nota de corte entre os demais estados.

Na sexta-feira (13), a ANTT divulgou no seu site uma nota pedindo imediata manifestação do NCE/UFRJ: “Diante das informações recebidas nesta Agência sobre possíveis fraudes na realização do 2º Concurso Público, objeto do Edital nº 001/2008-ANTT, conduzido pelo Núcleo de Computação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro – NCE/UFRJ, esta Agência solicitou a imediata manifestação daquela Entidade”.

Segundo a nota do NCE/UFRJ, “o concurso público transcorreu sem incidentes, não tendo sido relatado, nos locais de aplicação da prova escrita, qualquer fato que desabonasse a lisura do certame”.

A organizadora disponibilizou no seu site as listagens com os nomes, notas, número de inscrição e situação de todos os candidatos.

O NCE/UFRJ garantiu ainda que as denúncias recebidas após a aplicação das provas, que teriam ocorrido sem incidentes, “estão sendo devidamente apuradas, mas que, até o momento, não se mostraram procedentes”.

A instituição informou ainda que “caso sejam verificados quaisquer indícios de fraude no resultado da prova objetiva, especialmente a utilização do recurso denominado ‘cola eletrônica’, o NCE eliminará sumariamente os fraudadores e tomará as medidas legais cabíveis”.

O NCE informou que dispõe de “sistemas computacionais capazes de detectar, através de estudos estatísticos, os candidatos que tenha feito uso de tal ferramenta ilícita, garantindo-se, assim, a lisura do certame”. A organizadora se colocou à disposição dos candidatos para responder todas as reclamações sobre o resultado da prova objetiva.

Polícia Rodoviária
No ano passado, o NCE foi envolvido em outra suspeita de fraude de concurso. Em dezembro, as provas do concurso para 340 vagas na Polícia Rodoviária Federal foram canceladas após vazamento do conteúdo. Dois dias antes da aplicação do exame, um suspeito foi flagrado tentando vender o gabarito por R$ 40 mil.

A organizadora depositou na conta da PRF o valor correspondente a quase 112 mil inscrições de candidatos, e a Polícia Rodoviária está escolhendo quem será a instituição que organizará o concurso, que deve ter o edital mantido e não deve abrir novas inscrições.