Era a evolução natural e, depois do novo Palio, chegou a vez de a Fiat fazer mudanças no Siena e na Palio Weekend, que estréiam ainda o motor 1.8 bicombustível nos carros da marca.

Mas, para começar a falar dos novos modelos, que chegam às revendas esta semana, é preciso deixá-los passar e, depois, virar sem vergonha a cabeça para dar uma olhadinha. Afinal, a frente é igual à do novo Palio. Já na traseira… é cada um por si.

Os novos sedã e caminhonete da linha Palio ficaram com aparência de carro maior. Para isso, o designer Giorgetto Giugiaro criou novos pára-choques, pára-lamas, lanternas e tampa do porta-malas para os modelos.

No Siena, a exclusiva parte de trás tem mais harmonia com a frente comum a todos os Palio do que na caminhonete. As gigantescas lanternas da Palio Weekend são desproporcionais ao tamanho do carro.

Já a Palio Adventure é uma exceção: além da nova parte de trás, que tem uma exclusiva faixa preta no pára-choque, a caminhonete ganhou uma frente diferenciada, como acontecia nas gerações anteriores.

Na fronte da versão, os faróis têm máscaras negras no melhor estilo tuning. Mas este aventureiro é politicamente correto e não exibe o protuberante quebra-mato dos antecessores. A Fiat seguiu a fórmula adotada no Doblò Adventure e criou para a caminhonete um pára-choque com uma espécie de quebra-mato embutido, delineado por um agressivo acabamento preto.

Como não há onde apoiar os faróis de longo alcance, na nova Adventure eles foram instalados junto aos de neblina, na parte inferior do pára-choque. A versão tem ainda rack e estribos laterais.

Por dentro, os novos modelos seguem o desenho do Palio, que por sua vez é baseado no do Stilo. Assim, todas as versões vêm de fábrica com computador de bordo e sistema My Car, que permite personalizar as informações do computador e o funcionamento de alguns equipamentos.

Além da mudança estética, a outra novidade dos novos Siena e Palio Weekend é o motor 1.8 8v bicombustível, que passa também a equipar o Palio. Ele é o mesmo usado por Corsa, Meriva e Montana. A diferença é que a GM usa o sistema flexfuel da Delphi e a Fiat, o da Magnetti Marelli.

As duas montadoras também fizeram regulagens distintas na central eletrônica, o que explica o motor da linha Palio ter 106cv, quando abastecido só com gasolina, e 110cv de potência, com álcool. Nos carros da GM, a potência vai de 105cv a 109cv.

Na prática, ao testar o Siena e a Palio Weekend 1.8 com uma mistura igual de gasolina e álcool no tanque, não se sente diferença significativa em comparação aos antigos modelos só a gasolina (com 103cv).

O motor dá vigor aos modelos, apesar do buraco entre a primeira e a segunda marchas. Mas os carros da Fiat não são espevitados como os 1.8 da GM. Mesmo assim, a Palio Weekend e o Siena têm força para subir ladeiras e fazer ultrapassagens sem ser preciso fazer reduções constantes de marcha.

A Palio Adventure, que também usa o motor 1.8, tem o mesmo desempenho da Weekend. Assim, tem força para passar por trilhas leves, ainda mais com a ajuda dos pneus 175/80 R14 de uso misto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui