Segundo a PRF, a prática é comum e motivada pela visão capitalista de empresários

Um ônibus que fazia a linha Piripiri – Teresina ficou retido na noite desta segunda-feira (06) no posto um da Polícia Rodoviária Federal (PRF). O coletivo transportava uma quantidade de passageiros bem acima da capacidade máxima.

Por cerca de 40 minutos, o ônibus ficou impedido de seguir viagem e só foi liberado quando a empresa Barroso enviou outro veículo de Teresina para transportar os passageiros que seguiam viagem em pé.

Segundo Tiago Sousa (piripiriense que reside em Teresina), a empresa em questão costuma vender mais bilhetes do que a capacidade do coletivo. “Sempre vou e volto de Teresina a Piripiri e toda vez é a mesma coisa, ônibus lotado, pessoas em pé. É um absurdo”, disse.

Para o inspetor Francílio, chefe do posto um da PRF, a prática é comum devido a visão capitalista dos empresários do setor. De acordo com ele, mesmo estando sujeitos a multas, as empresas preferem “ganhar dinheiro a qualquer custo”.

“O que podemos fazer e autuar e multar o veículo por excesso de passageiros, mas isso não parece intimidar os empresários, que buscam o lucro a qualquer custo, sem medir as conseqüências de um possível acidente”, disse o inspetor.

A reportagem do 45graus entrou em contato com a sede da Empresa Barroso em Teresina para que a mesma comentasse as denúncias, entretanto, o funcionário encarregado de prestar esclarecimento não foi localizado.