Viagem de 30 quilômetros custa R$ 18 e cobrador não dá comprovante. Veículos têm problemas nos pneus e alguns não têm velocímetro.

A irresponsabilidade nas estradas de Mato Grosso faz com que ônibus, sem as mínimas condições de circular, transportem passageiros normalmente. Em um dos veículos, as pessoas viajam pela BR-070, uma das rodovias mais movimentadas da região.

As luzes internas estavam queimadas e o suporte da bagagem balançava. O veículo ainda andava com as poltronas rasgadas. Apoio para o braço? Só mesmo na estrutura de ferro. “Tem que dar uma reformada, porque está ganhando dinheiro, tem que dar uma reformada. Aqui que é o perigo”, disse uma passageira.

A viagem de 30 quilômetros custa R$ 18, mas o cobrador não dá comprovante. “Não tem notinha”, diz o cobrador do ônibus.

No painel, o espaço onde deveria ter o velocímetro virou depósito de lixo. Os ônibus velhos que circulam nas rodovias de Mato Grosso têm autorização da agência que fiscaliza o setor. São, pelo menos, 90 linhas servidas por esta frota.

A agência reguladora permite que veículos com mais de 20 anos de uso continuem circulando para atender áreas em que as empresas concessionárias não têm interesse. Mas elas estão obrigadas a fazer a vistoria anual, emitir bilhete de passagem e ter seguro para os passageiros. As fiscalizações têm flagrado várias irregularidades.

“É péssimo não tem condição, vai trocar o pneu para poder viajar”, diz um senhor. “Nós corremos risco de vida com esse pneu na BR”, afirmou outra passageira. “Ele está sendo revisado. Isso aí é só na borracha por fora, mas por dentro está bom”, disse o motorista do ônibus.

Um outro veículo que transportava 15 pessoas estava com a vistoria vencida e foi apreendido. “Feio, em péssimas condições, a gente vem limpo e chega sujo”, disse uma senhora.

“O usuário precisa ter melhor qualidade ou, pelo menos, mínima condição para viajar com segurança e maior rapidez possível”, afirmou o passageiro Marcelino Costa.

O dono da empresa flagrada com pneus carecas disse que vai retirar o ônibus de circulação e fazer uma reforma. A agência responsável pela fiscalização já apreendeu 109 ônibus este ano em Mato Grosso.