Idéia é usar a medida para diminuir a emissão de poluentes pelos carros e não mais para reduzir o trânsito

A adoção do pedágio urbano era vista pelos cientistas políticos como um assunto que seria tabu nesse período eleitoral. E também não encontra consenso entre especialistas. O consultor de trânsito Jaime Waisman, por exemplo, disse que outras medidas são mais eficazes para reduzir os índices de poluição do que essa tarifação. “Temos a inspeção veicular para ônibus e caminhões. Mas, para o grosso da frota, automóveis, ainda não temos nada.”

Para o especialista, que também é professor de Engenharia dos Transportes da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP), a cobrança do pedágio vai penalizar os motoristas. O problema, disse, é a falta de opções ao automóvel. “Não pode adotar a restrição sem dar alternativa, uma vez que o transporte público é de má qualidade.” Waisman lembrou de cidades onde a circulação de automóveis é cobrada, como Londres, Estocolmo e Sydney (mais informações nesta página), mas ressaltou que, em todas, o sistema de transporte é eficiente. “Pedágio urbano é a última coisa a ser feita aqui.”

Já o presidente da Comissão de Trânsito da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ciro Vidal, disse que a medida deve ser adotada, desde que tenha planejamento. “Não vejo por que (a idéia) não possa ser tentada. Tem de experimentar.” Segundo Vidal, não há entraves legais contra a proposta. Ele disse, porém, que o pedágio não pode ser adotado em ruas centrais, onde, segundo ele, não há espaço físico. “Tem de estudar a localização.” Ele citou as Marginais do Tietê e do Pinheiros e a Rodovia dos Bandeirantes como possíveis praças. “No centro, onde seria? Na 23 de Maio? Ela já não anda, pararia de vez. Na Tiradentes? Não tem condição, porque ela afunila.”

Pesquisa Ibope, encomendada pela ONG Movimento Nossa São Paulo, revelou que o pedágio urbano foi reprovado por 87% dos 1.512 paulistanos ouvidos em janeiro. Entre os candidatos, só Soninha Francine (PPS) defende abertamente a proposta de cobrança.

POLUENTES

Como medida para reduzir a emissão de poluentes na capital, porém, sobram defensores. O Laboratório de Poluição da USP já identificou que 12 pessoas morrem por dia na capital em decorrência dos efeitos dos gases tóxicos.

Ontem, enquanto o governo titubeava na questão, com críticas veladas ao texto final entre vários secretários, a defesa coube ao titular da pasta do Verde e Meio Ambiente, Eduardo Jorge. Jorge citou um estudo da secretaria que mostra que 75% da emissão de poluentes vem do uso de energia. Desses, 90% da emissão equivale ao uso de combustível fóssil (sobretudo gasolina e diesel). “Temos de agir muito forte.”

PELO MUNDO

Estocolmo

Desde janeiro de 2007, adota pedágio urbano no centro. Durante a semana, das 6h30 às 18h30, os motoristas pagam taxas a partir R$ 3, conforme o trânsito. O congestionamento caiu pela metade e a poluição do ar, em até 14%. A frota de ônibus ganhou mais 200 veículos e os horários do metrô foram ampliados. Carros flex ficam isentos do pedágio

Londres

Adotou o pedágio urbano há quatro anos. Em fevereiro de 2006, a área sujeita à cobrança dobrou de tamanho. Funciona nos dias úteis, entre 7 e 18 horas, para circular no centro. O dinheiro arrecadado é reservado para gastos com transporte. Táxis, ambulâncias e veículos de propulsão elétrica são isentos. Os congestionamentos foram reduzidos em 20%

Santiago

Tem pedágio eletrônico com tecnologia de chip desde 2004 nas principais autopistas. Câmeras fotografam a placa do carro assim que ele passa por um dos pórticos e o pedágio é cobrado instantaneamente. As tarifas variam de acordo com horário e distância percorrida. O governo investe pesado em transporte público

Bogotá

Iniciou o rodízio em 1998. A medida limitou a circulação de carros em 40%, proibindo quatro placas por dia nos horários de pico, das 6h30 às 9 horas e das 17 às 19 horas. Quatro anos depois, a chamada pico y placa aumentou a velocidade média de 14 km/h para 25 km/h. Aumentou também em 20% a ocupação do transporte coletivo e em 54%, a ocupação dos táxis

Cidade do México

Proposto como medida ambiental em 1989, o rodízio restringia inicialmente a circulação em 20%. Hoje, após inspeção veicular, o carro ganha um adesivo que indica a que restrição está submetido. Quando os níveis de poluição estão muito altos, o rodízio é intensificado, proibindo alternadamente chapas pares e ímpares.