A apresentação do pedido de abertura da CPI dos Bingos pelo senador Magno Malta (PL-ES) não foi negativa para o Partido Liberal, um dos principais aliados do Governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O saldo do episódio, pelo contrário, favorece o partido.

“Alfredo Nascimento, que assumirá na segunda-feira o Ministério dos Transportes, terá liberdade para nomear todos os diretores do Dnit (Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes). Está acertado com o Governo”, disse ontem o presidente nacional da legenda, deputado federal Valdemar da Costa Neto (SP).

Atualmente, algumas das diretorias da pasta estão nas mãos de pessoas ligadas a outros partidos da base governista, como o PTB e o próprio PT. Alfredo Nascimento, atual prefeito de Manaus (AM), é o primeiro vice-presidente do PL e homem de confiança de Costa Neto. Anderson Adauto deixa o posto para candidatar-se à prefeitura de Uberaba (MG).

Um outro cacique do PL diz que apesar de o atual ministro da pasta, Anderson Adauto, ser do partido e ter sido indicado pelo vice-presidente da República, José Alencar, havia descontentamento na bancada no Congresso em relação a ele. “O Nascimento é realmente um ministro do PL”, disse.

O presidente do PL vai mais longe. “Precisamos ter um ministro que comande as ações no Congresso Nacional. O novo ministro fará isso com desenvoltura”, explica Costa Neto ao complementar que Alfredo Nascimento “vai aproximar o partido ainda mais do Governo”. O Dnit tem um orçamento estimado em R$ 3,28 bilhões para este ano.

Magno fica – De acordo com alguns liberais, a apresentação do pedido da CPI dos Bingos faz parte do jogo político e o senador Magno Malta deve ficar no partido. “Ninguém saiu arranhado. Fizemos nossa parte. Na política tudo é feito para se cacifar”, contou um parlamentar da legenda. “Se o Magno Malta não entregasse o pedido, estaria morto. Ele fez a parte dele”, concordou Costa Neto, que não considera que o episódio do pedido de CPI possa dificultar a vida do PL. “O Magno fica no partido. Ele está prestigiado e ninguém pode achar ruim”, argumentou Costa Neto. Na terça-feira, Malta havia dito que discutiria com Costa Neto e o vice José Alencar sua permanência na legenda.

“Ficou arranhada a relação do PL com o Governo. Tomaram como uma ofensa, mas não é nada disso. Acredito que uma investigação sobre os bingos é necessária para o país. Alencar disse para eu esfriar a cabeça”, contou Malta, que alega que ele ou o PL não pediram nada em troca para não protocolar o pedido de CPI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui