A Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) e a Polícia Militar prometem intensificar as fiscalizações do tráfego para fazer valer a nova lei que prevê punições mais severas aos motoristas que forem flagrados alcoolizados. Publicado no “Diário Oficial da União” de ontem, o texto estipula a tolerância zero para o álcool ao volante. Ou seja, se o motorista for flagrado após ingerir qualquer quantidade de bebida alcoólica – mesmo um copo de cerveja -, poderá ter a habilitação suspensa por um ano, além de ter que pagar multa de R$ 955.

Para aumentar esse rigor, a BHTrans solicitará verba à Secretaria Nacional Antidrogas para adquirir etilômetros para a cidade, conforme antecipou O TEMPO em maio. Não existe esse tipo de aparelho em operação nas ruas da capital. Mas, a falta do equipamento não impossibilita o trabalho de agentes e policiais, que podem levar em conta os sinais de ingestão de bebida apresentados pelo condutor. A reunião entre os dois órgãos está marcada para a próxima quarta-feira.

“Queremos criar uma cultura diferente na capital. Temos que acabar com essa sensação de impunidade que existe”, disse o gerente de educação para o trânsito da BHTrans, Eduardo Lucas, reconhecendo que esse sentimento nasceu diante da precária fiscalização. Lucas não adiantou a quantidade de aparelhos que serão comprados. Outra proposta é a criação de postos de abordagem em pontos onde há grande concentração de bares e restaurantes. Mas isso não quer dizer que os demais locais serão esquecidos. Segundo Lucas, a mobilidade desses postos garantirá o fator surpresa.

MGs e BRs
Estado vai promover campanha educativa

A nova lei nº 11.705/08 também determina a proibição da venda de bebidas alcoólicas em trechos rurais das rodovias federais. A multa para quem descumpri-la é de R$ 1.500.

Minas também tem intenção de implantar nas MGs uma lei restringindo a venda de bebidas. Por enquanto, segundo o subsecretário estadual Antidrogas, Cloves Benevides, a subsecretaria fará uma campanha educativa com os comerciantes para alertá-los sobre a nova lei. O início dos trabalhos se dará no próximo dia 30, envolvendo a Grande Belo Horizonte. Em seguida, a conscientização se estenderá para as regiões Leste e Vale do Aço.

“Estávamos com a lógica da proibição total (nas MGs), pois o trecho rural é a parte menor do problema. Agora, vamos ver a aplicabilidade da lei federal. Como sabemos que a fiscalização é deficitária, as várias entidades terão que firmar mais parcerias para promover suas ações”, disse. (FP)

Teste
Recusa de etilômetro dá multa

Aquela pessoa que não aceitar ser submetida ao equipamento também terá de pagar multa de R$ 955 e poderá perder a habilitação por um ano, conforme a nova lei.
Caso não haja o aparelho no momento do flagra para atestar o estado do motorista, os policiais responsáveis pela fiscalização podem aplicar a nova lei observando os sinais de embriaguez do condutor. Até o hálito serve como indício para conduzir o suspeito à delegacia. Lá, ele pode passar por exame clínico ou de sangue.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) terá mais 2.000 etilômetros até 2010, segundo informações da corporação em Brasília. Cada viatura da PRF terá que dispor de um aparelho, bem como os postos fixos de fiscalização.

Atualmente, a corporação conta com cerca de 500 etilômetros para o país inteiro. Em Minas, que detém a maior malha viária federal, existem 44 equipamentos desse tipo. A distribuição do novo material obedecerá a planejamento específico que não foi adiantado.

Acidente. No primeiro dia de vigência da tolerância zero, a PRF registrou um acidente na BR–381 em que havia a suspeita de ingestão de bebida alcoólica. Cinco pessoas ficaram feridas ontem depois da queda de um carro em uma ribanceira, na altura de Betim, na Grande Belo Horizonte. Policiais encontraram latinhas de cerveja no interior do carro.