Botucatu – Os prefeitos e vereadores da microrregião de Botucatu não conseguiram sensibilizar o secretário estadual dos Transportes, Mauro Arce, com a proposta contrária à instalação de uma praça de pedágio em Botucatu (100 quilômetros de Bauru).

A reunião com o secretário ocorreu há cerca de 15 dias, em São Paulo, na Secretaria Estadual dos Transportes e contou com a presença de dois técnicos da secretaria, especializados em pedágios.

Segundo o vice-presidente da Câmara de Botucatu, o vereador Luiz Aurélio Pagani (PT), além dele, participaram da reunião o prefeito de Botucatu, Antônio Mário de Paula Ielo (PT); o presidente da Câmara, José Carlos Lourenção (PT); além do prefeito de São Manuel, Flávio Silva (PSB), e mais um vereador da cidade.

“O resultado (da reunião) saiu ontem. Nós pedimos para que eles não colocassem o pedágio aqui e eles responderam que vai ser colocado”, lamenta Pagani. Segundo o vereador, o secretário não atendeu aos apelos dos políticos que acreditam que o novo pedágio vai acarretar em transtornos e prejuízos financeiros não só à população, mas, conseqüentemente, ao setor comercial e industrial dos municípios da região.

“Nós pedimos para que o dinheiro arrecadado fosse, realmente, investido na Marechal Rondon, mas pelo contrato de concessão de 30 anos muito pouco vai ser utilizado aqui”, critica o vereador. Segundo ele, do total de arrecadação previsto nos pedágios de Agudos, Areiópolis e Botucatu, cerca de R$ 800 milhões, apenas R$ 15 milhões seriam investidos na rodovia Marechal Rondon.

“O investimento é mínimo, porque eles vão pegar o dinheiro arrecadado aqui na Marechal Rondon e, ao invés de gastar aqui, eles vão usar para duplicar uma estrada de Anhembi até Piracicaba, que não tem nada a ver com a nossa região. Vão jogar também de Capivari a Campinas que muito menos tem com a nossa região”, diz Pagani.

Custos

O vereador lamenta a não discussão sobre o assunto por parte de políticos da região de Bauru. “Parece que os políticos de Bauru ainda não sentiram que o custo (do transporte) e tudo que eles precisarem da Capital do Estado vai aumentar (devido ao valor do pedágio). Isso interfere na indústria, no comércio e eu não estou vendo uma mobilização dos políticos de Bauru para isso”, lamenta o vereador.

De acordo com o estudo da Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp), no processo licitatório da rodovia Marechal Rondon Leste consta a construção de uma praça de pedágio no quilômetro 261 mais 12 metros, com cobrança bidirecional prevista no valor de R$ 9,05.

Os prefeitos da região de Botucatu alegam que, com a instalação da praça, ela acarretará em transtornos e prejuízos financeiros ao setor comercial e industrial dos municípios da região. Segundo eles, àqueles que se deslocam diariamente entre os municípios de Botucatu, São Manuel, Pratânia e adjacências terão que arcar com mais R$ 18,00 em seus gastos.