As lombadas eletrônicas das rodovias federais não estão funcionando, é que o contrato entre o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT) e as empresas que operam os radares terminou em setembro do ano passado e até agora, não foi realizada uma nova licitação. A previsão é que aconteça ainda no fim deste mês.

A desativação das lombadas contribui para que os motoristas abusem da velocidade. A imprudência e o excesso de velocidade são considerados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) como as maiores causas de acidentes no País.

“Nós estamos preocupados com o retorno das férias escolares. Sem os radares, teremos mais ocorrência de abuso de velocidade e, conseqüentemente, mais acidentes”, disse o capitão Agnaldo Barros, da Polícia Militar Rodoviária.

O diretor do Departamento Nacional de Trânsito, Alfredo Peres da Silva, defendeu a manutenção das placas que indicam os radares. Segundo ele, a placa ajuda a controlar a velocidade e ainda avisa que aquele é um local de risco.

O DNIT informou que a licitação para contratar empresas para operar as lombadas eletrônicas será realizada até o fim de janeiro. Em março, o equipamento deve ser instalado em outros trechos de rodovias federais.

De acordo com o site do DNIT, 346 novos equipamentos serão instalados. Atualmente eles somam 321, que aguardam a nova licitação. No Ceará existem oito Redutores Eletrônicos de Velocidade (REV) instalados na Rodovia 222 e quatro na BR-116, que fazem parte do sistema integrado e informatizado de controle eletrônico.