A Rodovia João Beira (SP-95) — entre Jaguariúna, Pedreira e Amparo —, que liga a região de Campinas ao Circuito das Águas, continuará nas mãos do Estado e, depois de quatro anos de reivindicações da população e de políticos da região, terá duplicado o trecho de 38 quilômetros. O governador José Serra (PSDB) garantiu que as obras começam em 2009 e que devem ser concluídas em dois anos. O investimento, calculado em R$ 35 milhões, será disponibilizado pelo Estado, independentemente do processo de concessão de rodovias paulistas, que deve incluir em um novo pacote as estradas de acesso ao Litoral Norte, como a Tamoios, a Mogi-Bertioga e um trecho da Rio-Santos.

As concessões estão previstas para este semestre e prevêem licitações para repassar à iniciativa privada as rodovias D. Pedro I, Ayrton Senna, Carvalho Pinto e trechos da Raposo Tavares e da Marechal Rondon. No pacote estão previstas, ainda, obras na SP-320, na região de Mirassol até a divisa com Minas Gerais, além da antecipação dos trechos Leste e Norte do Rodoanel, em São Paulo. Os detalhes sobre as obras ou a cobrança de pedágios não foram revelados — os técnicos estão na fase de detalhamento do tráfego nas rodovias.

A duplicação da SP-95, que não depende desse processo de concessão, vai permitir também a expansão das empresas da região, que calculam um aumento de pelo menos 60% no volume de carga produzida nos próximos cinco anos. O fluxo atual na rodovia é de 8,7 mil veículos por dia. A obra está atualmente em fase de licitação do projeto de execução, que será lançado no Diário Oficial do Estado no próximo dia 23. Depois dessa etapa, será lançado outro edital, desta vez para contratação da empresa responsável pela obra. Há um ano, Serra já havia assinado um convênio entre o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e a Prefeitura de Pedreira, liberando um investimento de R$ 4 milhões em um trecho de quatro quilômetros da SP-95, dentro da cidade, que já está em execução.

O prefeito de Pedreira, Hamilton Bernardes Júnior (PSB), destacou que a obra “vai melhorar no aspecto de turismo e de escoamento de produtos agrícolas e industriais”. “As empresas de porcelana do município, por exemplo, serão beneficiadas”, disse. Já o prefeito de Jaguariúna, Tarcísio Chiavegato (PTB), afirmou que a obra é necessária em função das estatísticas. “O fluxo de veículos pela rodovia ao longo do mês é cada vez maior e já excede aos parâmetros da normalidade. Além de garantir mais conforto e segurança aos usuários, turistas e até empresas da região, esse número crescente de veículos já justifica a necessidade da duplicação.”