Ao tomar a estrada neste final de ano, onde o movimento costuma aumentar em média 30% segundo a Polícia Rodoviária, os condutores devem estar conscientes que cada rodovia merece um cuidado específico de acordo com a suas condições.

O 1.º tenente Wanderlei de Andrade Júnior, oficial de comunicação social do 2.º Batalhão de Policiamento Rodoviário (2.º BPRv) em Bauru, explica que as condições de cada rodovia criam fatores diversos que devem ser observados pelos usuários.

Rodovias não duplicadas, por exemplo, exigem do usuário preocupação maior ao fazer ultrapassagens. Na região de Bauru, pelo menos três vias se encontram nesta situação: a rodovia César Augusto Sgavioli (SP-261), Bauru-Iacanga (SP-321) e a Bauru-Ipaussu (SP-225), sentido Ourinhos. “Ultrapassagem em local de risco é a maior causadora de acidentes graves”, revela o tenente.

Por outro lado, as estradas duplicadas oferecem outro tipo de preocupação. “Nessas rodovias tem que tomar cuidado com alguns horários, devido a sonolência. De uma pista tão tranqüila que ela é, tem este risco que é a sonolência, principalmente durante a madrugada”, explica. Vale lembrar que as rodovias duplicadas na região de Bauru são a Comandante João Ribeiro de Barros (SP-225), Marechal Rondon (SP-300) e, parcialmente, a Bauru-Marília (SP-197).

Independentemente da pista ser simples ou duplicada, também é importante ficar atento às condições de conservação das rodovias. De acordo com o tenente, a SP-225, sentido Ourinhos, tem acostamento ruim. O mesmo ocorre com a Bauru-Iacanga (SP-321). No entanto, a SP-225 sentido Ourinhos também tem trechos de asfalto “enrugados”, o que pode ser um perigo a mais para os motoristas desatentos.

“A questão do pavimento depende muito de trecho. Tem rodovia com trecho bom e trecho com o asfalto ruim. Na própria Rondon, por exemplo, nós temos trechos ótimos e também trechos esburacados”, exemplifica o oficial.

Os locais com maiores incidências de acidentes, segundo o tenente, ficam nos perímetros urbanos, principalmente em Bauru, Macatuba e Lençóis Paulista. “São os pontos onde são registrados índice alto de acidente em relação às demais rodovias principalmente devido a travessia de pedestres”, revela.