Queda de barreiras, trechos submersos, pontes danificadas e rodovias interrompidas pelas chuvas. Quem planeja encarar neste recesso de fim de ano as BRs pelo país afora deve estar muito atento aos estragos que o excesso de chuvas deixou na malha rodoviária federal de muitas regiões.

Os estados de Santa Catarina, Minas Gerais e Rio de Janeiro, mais atingidos nos últimos dias, organizam equipes para atender a todas as demandas e minimizar os efeitos das chuvas. Nas principais estradas federais afetadas pelos temporais, a Polícia Rodoviária Federal recomenda aos motoristas muita cautela em relação às condições das pistas.

Em Minas ocorrem apenas interdições pontuais, mas as chances de a BR-116 ser interditada completamente são grandes, com alguns pontos já apresentando riscos para os motoristas. Para este local, a Polícia Rodoviária Federal também recomenda aos motoristas que verifiquem se os telefones estão com baterias carregadas para facilitar a comunicação.

Na BR-116 (quilômetro 813 (próximo a Muriaé, cidade muito atingida pelas chuvas), houve afundamento total da pista, com passagem bastante dificultada para apenas um veículo, pelo acostamento. Já na BR-494, o tráfego ficou interrompido no quilômetro 90 (entre os municípios de Carmo da Mata e Oliveira) devido às fortes chuvas desta semana, que comprometeram a estabilidade do aterro. Técnicos do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit) tiveram que ser enviados para o local para auxiliar nos reparos.

Queda de barreira

Na quinta-feira passada, na cidade catarinense de em Blumenau – entre os quilômetros 49 e 52 – uma queda de barreira deixou o trânsito fluindo com muito perigo. O acostamento ficou interditado. A rodovia SC 416 – a 200 quilômetros de Porto Alegre – ficou interditada entre os municípios de Jaraguá a Pomerode por causa de uma queda de barreira, segundo o chefe do Centro de Operação da Defesa Civil do Estado, Irineu Corrêa.

No Rio de Janeiro, entre outros trechos do Norte e Noroeste do Estado, o trânsito está totalmente interrompido na BR-356. Nos municípios de Cardoso Moreira e Itaperuna, o rio transbordou. Na BR-354 (do quilômetro 13 ao 19), a situação não foi diferente: as chuvas desta semana derrubaram barreiras, abriram sulcos na sarjeta e o pavimento rompeu-se. O trânsito ficou em meia pista e o tráfego de caminhões foi interrompido. A orientação é para que as pessoas evitem se dirigir para municípios atingidos pelas enchentes dos rios Carangola, Pomba, Muriaé, Itabapoana e Paraíba do Sul, que alagaram por enquanto, 15 municípios. Em Cardoso Moreira, por exemplo, só é possível o acesso de barco ou helicóptero.

Em Minas, a Secretaria de Transportes, através do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) também elaborou um plano emergencial para o período chuvoso, adotando medidas para reduzir riscos de acidentes e interrupções de tráfego nas estradas mineiras nos casos de quedas de barreiras e deslizamentos de encostas. Estão sendo investidos R$ 20 milhões na intensificação da sinalização dos trechos afetados e em outras medidas preventivas

Ainda na Zona da Mata mineira, uma das regiões mais afetadas pela chuvas, 12 trechos encontram-se em condições precárias devido o acúmulo de água.