Região mais rica do país tem também os pedágios mais caros

Depois que as principais estradas da região Sudeste passaram a ser administradas por concessionárias, além de pegágios altos, os estados ganharam melhores condições das vias e bons serviços de assistência médica e mecânica. Da cidade de São Paulo saem seis das dez melhores estradas da região mais rica do país. A lista foi elaborada pelo portal VIAJE AQUI; confira o ranking:

1ª) SP-348 (Bandeirantes) – São Paulo-Cordeirópolis (SP): a rodovia administrada pela Autoban está há três anos no topo da lista do Guia Quatro Rodas como a melhor estrada do país. Um telefone de emergência a cada um quilômetro e amplo canteiro central deixam a viagem segura para quem segue pela via.

2ª) SP-160 (Imigrantes) – São Paulo-São Vicente (SP) – sob licença da Ecovias, a rodovia que corta a Serra do Mar abusa de túneis e viadutos para evitar curvas perigosas no percurso e, ao mesmo tempo, preservar a Mata Atlãntica. É a ligação mais curta entre São Paulo e o litoral, mas o pedágio é um dos mais caros do país.

3ª) SP-280 (Castello Branco) – São Paulo-Espírito Santo do Turvo (SP): três empresas dividem a concessão da rodovia: Viaoeste, Colinas e SPVias. Pistas laterais no trecho próximo a Baurueri, com pedágios na ida e na volta, foram abertas para tentar aliviar o tráfego intenso. Nos domingos e feriados, é proibida a circulação de caminhões entre Tatuí e São Paulo.

4ª) SP-070 (Ayrton Senna/Carvalho Pinto) – São Paulo-Taubaté (SP) – controlada pela Dersa, concessionária estatal,é a alternativa dos viajantes que querem fugir da Via Dutra. É o melhor acesso ao litoral norte paulista, Vale do Paraíba e Campos do Jordão.

5ª) SP-310 (Washington Luís) – Limeira-São José do Rio Preto (SP) – administrada pelas Centrovias e Triângulo do Sol, a estrada atravessa uma importante região agropecuária do estado de São Paulo. O condutor deve ficar atento aos fortes ventos laterais no percurso.

6ª) SP-330 (Anhangüera) – São Paulo-divisa SP/MG (SP) – sob concessão da Autoban, a rodovia faz parte do sistema Anhangüera-Bandeirantes. Queimadas nos canaviais às margens das via requerem atenção redobrada dos motoristas.

7ª) BR-040 (Washington Luís) – Rio de Janeiro-Juiz de Fora (RJ/MG) – a estrada de traçado sinuoso é controlada pela Concer. Neblina em todo percurso e risco de queda de barreira na altura de Petrópolis são os principais perigos.

8ª) SP-225 (Com. João Ribeiro de Barros/Engº. Paulo Nilo Romano) – Bauru-Itirapina (SP) – recém duplicada pela Centrovias, a estrada corta São Paulo passando por Jaú, capital dos calçados femininos, e Brotas, capital do turismo de aventura.

9ª) BR-116 (Rodovia Pres. Dutra) – São Paulo-Rio de Janeiro (SP/RJ) – é a rodovia mais movimentada do país, ligando as duas maiores capitais. Administrada pela Nova Dutra, foi a primeira estrada brasileira a operar sob regime de concessão. A empresa recuperou a estrada antiga, com pistas separadas por muretas. Mas o viajante ainda precisa ficar atento à falta de segurança na Baixada Fluminense e às possíveis quedas de barreira na Serra das Araras.

10ª) ES-060 (Rodovia do Sol) – Vitória-Guarapari (ES) – segue por quase toda orla capixaba e é muito usada pela população do estado e de Minas Gerais. Funciona sob concessão da Rodosol, a única concessionária do Espírito Santo.