O governador em exercício de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), afirmou que, entre os próximos dias 23 e 25, serão realizadas as audiências públicas que darão início ao processo de privatização do programa de concessão de rodovias paulistas à iniciativa privada.

O estigma da privatização foi uma das principais causas do candidato tucano a presidente em 2006, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin.

Entre as rodovias a serem privatizadas estão: D. Pedro I, Carvalho Pinto e Raposo Tavares. O governo tucano já anunciara, ano passado, a intenção de privatizar boa parte de suas rodovias.

Na ocasião do anúncio, o governo José Serra informara que os recursos adquiridos com o processo seriam utilizados, não apenas na recuperação das rodovias, mas também nas obras do Rodoanel.

Serra vai lançar ainda este ano um pacote de privatização de quatro grandes rodovias estaduais: Ayrton Senna/Carvalho Pinto, D. Pedro I, Tamoios e parte da Raposo Tavares, em Presidente Prudente.

Por elevar o custo de circulação nas rodovias do estado, com a proliferação de pedágios, o então governador, também tucano, Mário Covas ficou conhecido como “Mário Pedágio”.