Tramita na Justiça o agravo feito pela Empresa de Transportes Serrana para não pagar as despesas médicas do advogado atropelado na Capital.

A empresa recorreu, no dia 21 de novembro, à decisão proferida pela Justiça, segundo a qual deve pagar por “todas as despesas médico-hospitalares que lhe forem apresentadas”.

O advogado de Marcelo Freire Victório, Leonardo Saad Costa, informou que até agora já foram gastos com o tratamento de Marcelo cerca de R$ 200 mil.

Desse montante, a empresa pagou R$ 40 mil e ainda deverá pagar R$ 40 mil no dia 10 de dezembro, segundo determinado pela Justiça. Mas, segundo Saad, esses valores ainda não cobrem o que já foi gasto com o tratamento.

“Nem o tratamento eles querem pagar”, reclama Luciana Victório, irmã de Marcelo. Luciana conta que tentou entrar em contato com a Serrana antes de procurar a Justiça, pedindo que eles assumissem as despesas médicas do advogado, mas conta que um corretor da empresa disse que o seguro só cobria despesas até R$ 100 mil.

“A gente na quer dinheiro na mão, não. Só quer sossego pra que o Marcelo se trate e fique bem” desabafa Luciana Victório. Sobre o estado de saúde do irmão, ela conta que ainda vai ter que passar por várias cirurgias e não tem previsão de alta.

Segundo Luciana, Marcelo Victório teve que fazer um enxerto na perna direita, que foi esmagada no acidente, há umas duas semanas e meia. Ela conta que ele teve várias complicações e vai levar, no mínimo, seis meses para se recuperar.

Além das cirurgias feitas por conta dos ferimentos provocados pelo acidente, Marcelo teve também que passar por uma cirurgia nas cordas vocais na semana passada, por conta do tempo em que ficou entubado.

Acidente – Marcelo Freire Victório foi atropelado por um ônibus da empresa Serrana Transportes no dia 31 de outubro, enquanto caminhava pela rua Ruy Barbosa.

No acidente, Marcelo teve uma perna esmagada. Ele foi encaminhado para a Santa Casa, e transferido para o Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

O motorista do ônibus alegou que o acidente ocorreu porque a barra de direção do veículo quebrou-se, fazendo com que ele perdesse o controle do ônibus.


No dia 28 de novembro, a empresa TRW Automotive anunciou recall das barras de direção que distribuiu a partir de 12 de novembro de 2007 para ônibus e caminhões.

Foi confirmado que a peça que pode ter causado o acidente com o ônibus da Serrana pertence ao lote do recall.