O transporte de cargas perigosas em caminhões foi proibido durante a noite na freeway, das 22h às 6h. No verão, a proibição será antecipada para as 15h às sextas-feiras e aos domingos.
A medida entra em vigor nesta sexta. No ano passado, houve 11 acidentes com cargas perigosas na freeway. Oito ocorreram porque o motorista dormiu ao volante.
Cada acidente envolvendo caminhões com cargas de risco (químicos, substâncias tóxicas, combustíveis, tintas) interrompeu o tráfego na freeway por períodos de três a 13 horas. No ano passado, foram 27 horas de bloqueio do tráfego. Em 2000, quando foram registrados 17 acidentes, a rodovia ficou interrompida por 109 horas e 55 minutos para remover a carga e retirar o veículo do local.
Conforme um estudo da Concepa, concessionária que controla a freeway, 70,5% dos acidentes de 2000 ocorreram entre 22h e 7h, e 47% tiveram o sono ao volante como causa. Em 2001, 81,8% dos acidentes ocorreram à noite, e 72,2% foram provocados pelo sono. O estudo foi encaminhado ao Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER), que aprovou a restrição às cargas perigosas.
O DNER havia proibido o tráfego desses caminhões pela freeway nos finais de semana no verão passado. Desta vez, porém, a medida passará a ter vigor em todos os meses do ano. No verão, a restrição será estendida aos horários de maior movimento de veículos.
– Tínhamos de fazer alguma coisa, porque o sono ao volante era cada vez mais comum entre os motoristas envolvidos em acidentes. A proibição ao transporte de cargas perigosas à noite, a partir de agora, será permanente – diz o coordenador da freeway no DNER, Walderez Garcez.
Dos 17 acidentes de 2000, 12 ocorreram entre abril e outubro. Apenas três dos 11 acidentes de 2001 ocorreram no verão.
A primeira blitz para fiscalizar os caminhões será nesta sexta-feira. Mas a atividade terá caráter preventivo e envolverá técnicos da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) e agentes do DNER, da Concepa, da Defesa Civil e da Polícia Rodoviária Federal.
As empresas transportadoras receberam bem a restrição à circulação de cargas de risco na freeway.
De acordo com o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga no Rio Grande do Sul (Setcergs), João Pierotto, a medida receberá o apoio do setor, embora não seja consenso na categoria.
– Mesmo que não houvesse a proibição, o sindicato sempre recomendou aos seus associados que não circulassem à noite – afirma.
Pierotto explica que o Setcergs poderá tentar mudar o horário de restrição, mas não pretende derrubar a decisão do DNER. Uma proposta que deverá ser apresentada pelo sindicato é de que a proibição vigore entre a meia-noite e as 5h.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui