ANIVERSÁRIO: Foto: Divulgação/DER-MG

De estradas ‘carroçáveis’ a pistas pavimentadas, o Órgão trabalhou na construção de rodovias mais modernas e seguras. Desde 2016, passou a chamar-se Departamento Edificações de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais – DER/MG

A linha do tempo do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG) marcada, ao longo de seus 76 anos de existência, pela persistência, seja ela realizada na construção e manutenção das vias e prédios públicos ou na fiscalização do transporte de bens e pessoas.

Na última quarta-feira (4 de maio), o DER de Minas Gerais nascia com a certeza de fazer muito e a disposição para seguir cumprindo sua missão para com o povo de Minas Gerais.

A data foi comemorada em Belo Horizonte, capital do Estado, com uma programação especial na sede do Departamento, na Avenida dos Andradas 1120, Centro. A Banda de Música da Polícia Militar de Minas Gerais participou das atividades, que marcou também o início da campanha de 2022 do Movimento Maio Amarelo.

De acordo com o diretor-geral do DER de Minas, Robson Santana, a história do Departamento sempre esteve ligada aos numerosos servidores e profissionais que se dedicaram na prática das atividades de projeto, construção, manutenção, operação de rodovias, segurança, educação para o trânsito, transporte de passageiros e, recentemente, na condução de projetos e construções das edificações e equipamentos públicos de Minas Gerais.

“Consciente do papel que deve desempenhar junto ao público, o DER-MG mantém o foco no aprimoramento dos padrões de eficiência, tecnologia, qualidade e segurança para os usuários, seguindo as metas da Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade”, frisou Santana.

Para o secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Fernando Marcato, os trabalhadores do DER-MG assumiram mais um importante desafio ‘EM 2022‘ que é de conduzir o maior pacote de obras rodoviárias da última década: o Provias. “Isso reforça a grandeza e a relevância dessa instituição para o desenvolvimento do Estado. São 76 anos de um trabalho que fez e faz a diferença na vida dos mineiros”, ressalta.

Provias

Com mais de R$ 2 bilhões em investimentos, o Provias vai requalificar trechos da malha mineira com obras de pavimentação, construção de pontes e recuperação funcional das rodovias.

Reflexos econômicos positivos também são esperados com a realização do Provias. A expectativa é que sejam gerados pelo menos 8 mil empregos diretos e 24 mil indiretos com a execução das obras.

No total, serão 55 obras de recuperação funcional em 1.770 quilômetros da malha rodoviária e 44 empreendimentos pavimentações e construção de pontes, que somam cerca de 807 quilômetros.

A quarta-feira (4) também marcou um mês do lançamento do Provias, maior pacote de obras rodoviárias da última década, com 37 obras iniciadas, 16 a iniciar ainda em maio e outras 46 a iniciar nos próximos meses. No total, serão 55 obras de recuperação funcional em 1.770 quilômetros da malha rodoviária e 44 empreendimentos pavimentações e construção de pontes, que somam cerca de 807 quilômetros.

Ao longo do mês, foram iniciadas a recuperação e a pavimentação mais de 900 km de rodovias e contemplam todas as regiões do estado. O balanço é da Secretaria Estado de Infraestrutura e Mobilidade e do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG).

“O Provias reflete o esforço desta gestão com a recuperação da nossa malha rodoviária, que há muito tempo não recebia investimentos desse porte”, avalia o Secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Fernando Marcato.

Destaques

Entre os trechos de destaque, estão os 30,4 km que ligam Couto de Magalhães de Minas à Diamantina, no Vale do Jequitinhonha, e os 82,5 km das rodovias MG-111 e AMG-2905, localizadas na Zona da Mata.

Já no Sul de Minas, seguem a todo vapor as obras de recuperação e de aumento da capacidade da rodovia MG-167, que liga Três Pontas a Varginha.

No Norte de Minas, já foram iniciadas a recuperação funcional do pavimento da MG-401, na ligação de Janaúba ao porto de Matias Cardoso. O trecho tem aproximadamente 140 quilômetros de extensão e contará com o investimento de mais de R$ 58 milhões.

Na região Central e na RMBH os destaques são as obras de pavimentação da MGC-262, trecho que liga Barão de Cocais a Caeté e o acesso ao Inhotim.

Na região do Triângulo e Alto Paranaíba, a população já acompanha as melhorias na MG-190, entre Abadia dos Dourados e o entroncamento da BR-365 para Uberlândia. Na mesma região, também avançam as obras na MGC-497, trecho BR-365/452, em Uberlândia, até o trevo da BR-153, no município de Prata.

No Centro Oeste do estado as obras na MG-431, acesso secundário de Itaúna com extensão de 1,4 km estão bem adiantadas.

Além de todas as intervenções citadas, o DER-MG segue com as obras de pavimentação de 57 km nas rodovias LMG-760. Localizados no Vale do Rio Doce, os trechos beneficiados vão da BR-262 ao entroncamento de São José do Goiabal e do entroncamento de São José do Goiabal até Cava Grande no Vale do Aço. Esta é uma importante via de acesso ao Parque Estadual do Rio Doce.

História

Nos anos 20 do século passado, a construção e a conservação de estradas de rodagem eram de responsabilidade dos municípios, ficando para o Estado apenas as consideradas mais importantes.  Como primeira solução para resolver o problema foi criada a Inspetoria Geral de Estradas, subordinada à Secretaria de Viação e Obras Públicas.

Com a criação do Fundo Rodoviário Nacional pelo Governo Federal, em 1945, disponibilizando auxílio financeiro aos Estados, a criação de um departamento ou repartição de estradas de rodagem tornou-se inevitável. Nascia, então, em 04 de maio de 1946, o Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais, que seria o responsável pelo gerenciamento da parcela do Fundo Rodoviário Nacional que cabia ao estado de Minas Gerais.

Registros da época dão conta de que a rede rodoviária recebida pelo DER-MG era formada por estradas “carroçáveis” e/ou de “estiagem”, pois somente podiam ser utilizadas durante o período seco. Tal situação só começou a mudar durante o governo de Juscelino Kubitscheck de Oliveira (1951-1954), quando coube ao DER-MG uma parcela considerável dos encargos previstos no programa de obras baseado no binômio ” Energia e Transporte”, lançado no período.

O orçamento do DER-MG, que entre 1950/1951 havia aumentado em 9,3%, foi acrescido em 282% entre 1951/1952, a fim de possibilitar a viabilização das obras e aquisição dos equipamentos necessários. Iniciaram-se, também, as pesquisas e ensaios técnicos de tipos de pavimentos econômicos, duráveis e resistentes adequados às rodovias de Minas Gerais.

Na década de 70, o órgão trabalhava na construção das estradas mineiras no mesmo ritmo que o “milagre econômico brasileiro” chegava ao seu apogeu. Na época, o DER-MG contava com 30 Coordenadorias Regionais que se reportavam diretamente ao diretor-geral, provocando uma sobrecarga em suas atribuições. Para equacionar a situação e adequar-se à nova realidade, diversos modelos estruturais administrativos foram implantados.

Através de empréstimos internacionais, o DER-MG manteve suas máquinas trabalhando nos anos 80. Apenas no Vale do Jequitinhonha foram implantadas mais de mil quilômetros de novas rodovias. As estradas vicinais receberam atenção especial com a construção de centenas de quilômetros de vias que possibilitaram o escoamento da produção agrícola e a integração de pequenas vilas e comunidades rurais aos centros regionais.

Nos anos 90, com a extinção da Transportes Metropolitanos – Transmetro, além do gerenciamento do transporte intermunicipal mineiro, o DER-MG passou a ser responsável também pelo gerenciamento do transporte coletivo na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O DER-MG chegou à essa década com uma estrutura operacional composta da Sede e de 40 Coordenadorias Regionais distribuídas por todas as regiões de Minas Gerais.

Em 2016, uma nova palavra é acrescentada ao nome do órgão, que passa a se chamar Departamento Edificações de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais – DER/MG, por ter incorporado a suas atividades, as funções e o corpo de servidores do Departamento de Obras Públicas de Minas Gerais – DEOP.

Com um corpo técnico altamente qualificado, composto por cerca de 1.000 servidores, o DER-MG está presente em toda Minas Gerais. Além de uma sede em Belo Horizonte, são 40 unidades em cidades polo mineiras desenvolvendo atividades relativas à edificação, construção e manutenção de estradas e rodovias, fiscalização, educação para a segurança no trânsito, bem como na elaboração, em consonância com as diretrizes estabelecidas pela Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), estudos, pesquisas e projetos que visam melhorias no tráfego e no trânsito.

Com informações da Ascom do DER-MG

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui