PATRIMÔNIO VALIOSO: Diamantina, em Minas Gerais, é Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. Além de belezas naturais, a cidade é rica em casarões. Fotos: Divulgação

Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO, a cidade destaca-se por sua exuberante beleza natural e ao seu conservado casario do século XVIII

A dica de passeio do Estradas.com.br desta semana vem de uma região de Minas Gerais conhecida por sua beleza natural, por seu sabor e, naturalmente, por sua história. Mais precisamente, Diamantina.

As pequenas casas baixas, uma capela dedicada a Santo Antônio e uma população flutuante, caracterizavam a simples sociedade do Arraial do Tijuco, primeiro nome da cidade de Diamantina. A elevação de arraial à vila, 1832, sob denominação de “Vila Diamantina” e a flexibilidade da Real Extração na exploração dos diamantes, facilitou uma nova configuração urbana e social da cidade. Nascia assim, uma “sociedade plural, heterogênea e múltipla, que era dificilmente dominada pelas autoridades.

O espaço da diversidade e do conflito; pobres e ricos, negros escravos e forros, autoridades e fora-da-lei, faziam de Diamantina, um lugar ímpar no norte de Minas Gerais.

Do ouro ao Diamante

As bandeiras paulistas saídas da Vila do Príncipe em 1713, seguiram o curso do Rio Jequitinhonha e na confluência do córrego Piruruca e Rio Grande descobriram grande quantidade de ouro. A área mais rica localizava-se num pequeno afluente do Rio Grande e ali se fixaram os primeiros povoadores, dando origem ao Arraial do Tijuco – que significa barro, na língua dos índios. Apesar da grande quantidade de ouro, alguns anos depois, em 1720, foram encontrados as primeiras jazidas de diamantes, que eram comercializadas sem o controle da metrópole por quase 10 anos.

A cidade de Diamantina, elevada à condição de Patrimônio Cultural da Humanidade em 1999 pela UNESCO, destaca-se por sua exuberante beleza natural que simultânea ao seu conservado e belíssimo casario do século XVIII se traduz em um dos mais autênticos e belos cartões postais de Minas e do Brasil. Junto a esta harmonia perfeita, topografia e monumentos históricos, há uma musicalidade que lhe é peculiar, uma série de manifestações artístico-culturais, bem como seu original artesanato que tem, no conjunto de sua cultura, subsidiado com sucesso o fortalecimento da atividade turística em território municipal. Tudo isto aliado a um estilo diamantinense alegre e hospitaleiro vem fazendo da cidade um roteiro turístico para os mais diversificados gostos.

A gastronomia típica de Diamantina – Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO -encanta por suas cores, aromas, sabores e pelos saberes de sua gente, que põe à mesa receitas carregadas de tradição e simbolismo. Uma gastronomia que tem origem nos vários povos que em suas serras coletaram, criaram e cultivaram roçados para abastecer as cozinhas dos antigos garimpos de diamante. Hoje a terra de Juscelino Kubitschek e Chica da Silva promove anualmente o Festival Diamantina Gourmet e o Garimpando Sabores. Venha vivenciar a tradição gastronômica de Diamantina! Informações: vivadiamantina.com.

Vesperata – 2019

Manifestação musical genuína de Diamantina. No evento, os músicos tocam das sacadas e janelas dos seculares casarões da Rua da Quitanda e são regidos pelos maestros posicionados no centro da rua, junto ao público presente. Espetáculo imperdível que emociona a todos que tem o prazer de assisti-lo.

Programação

Sexta-feira

Feira no Mercado Velho com comidas típicas e música ao vivo.

Seresta às 09:00h saindo da estátua de JK até o Mercado Velho percorrendo as ruas.

Opção: bares locais

Sábado

Feira de artesanato no Mercado dos Velho.

Tour por Diamantina.

As 21:00h: Início da Vesperata

Baile no Acayaca

Música ao som da viola no Recanto do Antônio.

Domingo

Café no Beco a partir das 07:00h da manhã

Arte Miúda – apresentação na Igreja do Carmo às 10:00h da manhã.

Onde ficar?

Pousada Vale do Garimpeiro

A Pousada Vale do Garimpeiro está localizada em local seguro e tranquilo, possui quartos deslumbrantes, descortinados para a bela paisagem da Serra dos Cristais. A pousada oferece completa infraestrutura para hospedagem e dispõe de variados serviços para atrair a atenção dos potenciais visitantes. Surpreenda-se com nossos ambientes e serviços e curta todo charme que Diamantina oferece. Hospede-se com qualidade e desfrute toda nossa musicalidade. Estamos localizados á 80 metros do centro histórico, entre o Mercado Velho e a estátua de JK. Assim, pode-se fazer todo tour histórico a pé e ainda aproveitar as belas noites diamantinenses, fugindo do cotidiano e da dependência dos veículos.

Informações: https://www.pousadavaledogarimpeiro.com.br/ e (38) 3531-3844.

Amélia Pousada

A cidade histórica de Diamantina é Patrimônio Cultural da Humanidade, em 1999 conquistou sua inscrição junto a UNESCO. Está localizada no Estado de Minas Gerais, no contexto da Serra do Espinhaço no Vale do Jequitinhonha. É o marco do ponto inicial do caminho da Estrada Real. A cidade se desenvolveu no período da exploração dos diamantes.

Amélia Pousada está situada entre a Casa da Glória, conhecido como Passadiço – principal cartão postal da cidade – e a Casa do ex-presidente Juscelino Kubitschek, inserida no Centro Histórico. O local onde é celebrado o Concerto Vesperata e a Rodoviária estão próximos, junto do Campus I da Universidade Federal UFVJM.

A pousada oferece ainda apartamentos com colchão ortopédico queen size, cama box, TV, banheiros espaçosos, frigobar, wi-fi, circulador de ar, ducha com aquecimento solar e eletricidade. Informações: http://ameliapousada.com.br/ e (38) 3531-4095 e (38) 9 9815-9898.

Pousada Vila do Biribiri

A Pousada Vila do Biribiri está localizada há 12 quilômetros de Diamantina, em um local privilegiado para seus hóspedes, pois disponibiliza de acesso fácil para caminhada e banho de cachoeira. Descanso e aconchego é o diferencial da Pousada Vila do Biribiri. Na Vila tem Restaurante de comida mineira no Bar e Restaurante do Adilson, e Restaurante do Raimundo Sem Braço. Informações: https://pousadaviladobiribiri.com.br e (38) 9 9829-8619/ 0 8823-8220.

Como chegar

Saindo de São Paulo, adentre à Rodovia Fernão Dias (BR-381) rumo a Belo Horizonte, passando por Mairiporã, Atibaia, Extrema, Itapeva, Cambuí, Careaçu, Carmo da Cachoeira, Perdões, Carmópolis de Minas, Itaguara e Belo Horizonte. DA capital mineira, continue rumo a Diamantina passando por Ribeirão das Neves, Sete Lagoas, Paraopeba, Curvelo, Gouveia e, finalmente, Diamantina.

São 860 quilômetros de distância.

Pedágios

A viagem de ida e volta entre São Paulo e Diamantina tem dez pedágios, no total de R$ 31,70 em cada sentido.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui