EM ANÁLISE: Audiência Pública a ser realizada nesta terça-feira 913), irá debater sobre a duplicação da Rodovia BR-101, no Espírito Santo. Foto: Divulgação

Em outubro, o chefe da Reserva Biológica de Sooretama apresentou parecer técnico que reprovava as obras

A comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanha e fiscaliza as obras da concessionária ECO 101, no trecho da BR-101 que corta o Espírito Santo, realiza audiência pública nesta terça-feira (13), às 16 horas, para discutir o licenciamento ambiental da obra de duplicação da BR-101 – trecho norte.

De acordo com a comissão, em junho de 2018, o Ibama indeferiu a autorização para licenciamento ambiental devido aos impactos ambientais que potencialmente incidiriam sobre a Reserva Biológica de Sooretama e a Floresta Nacional de Goytacazes, no norte capixaba.

Parecer técnico

Em outubro passado, o chefe da Reserva Biológica de Sooretama apresentou parecer técnico, realizado em conjunto com pesquisadores que trabalham na unidade, pela reprovação da duplicação da Rodovia BR-101 no trecho que atravessa a reserva e a chamada “zona de amortecimento”. O documento afirma que a duplicação trará danos irreversíveis, que não poderão ser mitigados e compensados, e que é ilegal a realização dessa intervenção no interior da reserva. Por isso, foi sugerida a realização de um estudo para um traçado de desvio da BR-101.

Insegurança para os usuários

Diante da necessidade de estudos não previstos inicialmente e que podem demorar meses para ficarem prontos, os usuários da rodovia aguardam, sob a obrigação de pagamento de pedágio, a duplicação de um dos trechos com maior fluxo na BR 101-Norte, entre os municípios de Serra e João Neiva.

“A postergação da duplicação desse trecho causa grandes prejuízos ao estado e o mantém entre os recordistas em vítimas fatais de acidentes”, afirma o deputado Evair Vieira de Mello, autor do pedido de realização da audiência. O deputado cita um estudo feito com dados da Polícia Rodoviária Federal e publicado pelo jornal A Gazeta, de Vitória, mostrando que, dos onze estados cortados pela BR 101, é no Espírito Santo que está a parte mais letal da rodovia. “A taxa de mortalidade no trecho capixaba é de mais de quatro mortes em acidentes a cada cem mil habitantes”, lamenta o parlamentar. “Solicito ao Ibama a adoção de medidas para que o processo possa ser retomado, com prioridade para a análise do trecho entre os municípios de Serra e João Neiva”.

Eco 101

No Espírito Santo, concessionária ECO 101 é responsável por 475,9 quilômetros do trecho da BR-101, que vai do trevo de acesso à cidade de Mucuri, no Sul da Bahia, até a divisa com o Rio de Janeiro. O trajeto concedido corta 25 municípios capixabas.

Foram convidados para a reunião, em local a ser definido, a diretora-substituta de Licenciamento Ambiental do Ibama, Claudia Jeanne da Silva Barros, e o diretor-superintendente da Concessionaria ECO 101, Jeancarlo Mezzomo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui