FINALMENTE: Finalmente foi concluída a restauração de 52 quilômetros não continuados, em 12 segmentos mais críticos da rodovia BR-317, no Estado do Acre. O primeiro fica no Km 186 e o último no Km 333,80, de acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Foto: Divulgação

De acordo com o Dnit, serviços consumiram R$ 80 milhões

Finalmente foi concluída a restauração de 52 quilômetros não continuados, em 12 segmentos mais críticos da rodovia BR-317, no Estado do Acre. O primeiro fica no Km 186 e o último no Km 333,80, de acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Ainda de acordo com o Dnit, as obras – iniciadas em junho de 2019 – consumiram R$ 80 milhões e restauraram 23 quilômetros em 2020. No ano passado, foram restaurados 29 quilômetros.

Segundo o Dnit, a obra concluída melhora as condições de tráfego na região do Alto Acre, no sudoeste do Estado. Assim, os municípios de Capixaba, de Epitaciolândia e de Brasileia são diretamente beneficiados pelos serviços. As cidades de Senador Guiomard, de Xapuri e de Assis Brasil também comemoram a ação do governo federal.

Desde a sua implantação, no fim dos anos 90, a  BR-317 nunca tinha recebido uma intervenção deste tamanho, com refazimento de duas camadas estruturais do pavimento (sub-base e base), além da aplicação de duplo revestimento, com o Tratamento Superficial Duplo (TSD) e o asfalto – Concreto Betuminoso Usinado à Quente (CBUQ).

Inicialmente, o pavimento é entregue com revestimento em TSD e, após a liberação ao tráfego por um período determinado, é aplicado o CBUQ, concluindo, assim, o processo de restauração. A rodovia está hoje com aproximadamente 15 quilômetros no CBUQ e 37 no TSD, tudo com sinalização horizontal.

Importância

A BR-317 se inicia na divisa do Estado do Acre com o Amazonas e vai até a divisa do Brasil com o Peru, nas cidades de Assis Brasil (Brasil) e Iñapari (Peru), com 407,90 km de extensão.

Do ponto de vista Estadual, a pista interliga a região do Alto e do Baixo Acre, sendo uma importante via de integração do Estado, contribuindo para o transporte de passageiros e de mercadorias. Já do ponto de vista Regional e Nacional, a rodovia federal é conhecida como Estrada Interoceânica, pois foi a ligação final da rota que conecta os oceanos Atlântico (Brasil) e Pacífico (Peru).

Com relação ao turismo, a BR-317 cumpre função importante para visitantes que pretendem conhecer a Amazônia e os Andes, além das cidades de Cuzco e de Machu Picchu, no Peru.

A obra realizada pelo Dnit traz também um incremento no agronegócio, sendo visível o aumento de área plantada. Antes, a atividade econômica predominante na região era a pecuária.

Com assessoria de imprensa do Dnit

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Por favor, digite seu nome aqui